domingo, 31 de janeiro de 2016

Pão de Microondas (Saudável, Sem Glúten/Lactose, Sem Açúcar/Gordura Adicionados, Integral)


Há uns tempos contei por aqui que tinha comprado uma máquina de waffles.
Antes de a comprar achava piada à ideia de poder fazer waffles por não os associar a nada caseiro - aqueles quadradinhos adoráveis davam a clara informação de que seria necessário ter uma máquina. E quando o Lidl colocou as 3 em 1 à venda decidi comprar uma.
Tivemos bons tempos juntas, eu e a máquina de waffles. A preparação do primeiro pequeno-almoço desde a aquisição da máquina (não será difícil adivinhar em que consistiu), com a mais clássica e simples receita. A confeção de waffles de queijo, adiada por semanas, a receita que me levou em grande parte a fazer a compra. A tentativa a medo de usar whey em waffles, seguida da prova de que waffles são a única coisa cozinhada em que a whey fica boa. A memorável vez em que fiz uns waffles caramelizados, tornando as placas na coisa mais difícil de lavar de sempre (até mais tarde... Suspense). Aquele dia em que eu levei a máquina a andar de baloiço, correr e apanhar flores em enormes campos verdes e pacíficos.
Foi sem dúvida uma boa era. E acabou.
Nas últimas utilizações foi especialmente difícil descolar os waffles da forma - e depois de negar os óbvios problemas de antiaderência entre nós, chegou A última utilização. A traumática vez em que os waffles colaram tanto que as placas tiveram de ficar de molho durante dias, com incansáveis mudanças de água, frequentes adições de água quente e leves escovadelas representativas da esperança. A lavagem foi por fim bem sucedida e as placas encontram-se agora limpas e dignas no armário onde residiam em vida estavam antes. Para nunca mais de lá saírem.
A parte boa é que a máquina tinha 3 funções e mantém duas. Acho que ninguém pode dizer que não foi uma boa compra quando faz padrões tostados desta qualidade...





Pão de Microondas (Saudável, Sem Glúten/Lactose, Sem Açúcar/Gordura Adicionados, Integral)
Adaptado daqui
Para 1 pão individual

Ingredientes:
[  1 ovo*
[  2 colheres de sopa mal cheias de aveia em flocos (ou farinha) (sem glúten para a versão sem glúten)
[  1 colher de chá de iogurte (sem lactose para a versão sem lactose)
[  1 colher de café de fermento

Preparação:
| Triturar todos os ingredientes com a varinha mágica (se a aveia estiver em farinha apenas precisam de bater).
| Colocar num recipiente e levar ao microondas durante cerca de 2 minutos na potência máxima, ou até estar cozido.
| Cortar em 2 fatias para rechear e, se desejado, torrar/tostar.

*Se desejado, passar a gema pela peneira para remover a película exterior e ficar com menos sabor a ovo, ainda que este não seja significativo ou desagradável independentemente disso.



Eu gosto muito disto para um lanche rápido. Não sendo exatamente igual a um pão comum, é muito mais rápido de fazer, igualmente versátil - na medida em que dá para rechear de várias maneiras -, fornece proteína, hidratos de carbono e gordura em proporções mais equilibradas e é muito bom. Gosto especialmente de o comer com queijo, embora elementos como orégãos ou presunto fiquem deliciosos também, e podem tostar na frigideira ou numa máquina própria tipo grill.
Poderão substituir a farinha por outra, como farinha integral ou farelo, embora a aveia seja a minha opção favorita. Também é óptimo para adiantar e torrar/aquecer na altura de comer, poupando tempo de azáfama matinal.
_________________________________________________________________________
Informação Nutricional (por 1 dose)
Energia: 126kcal
Proteínas: 8.6g
Hidratos de Carbono: 10.9g
-       Dos quais açúcares: 0.9g
Lípidos: 5.3g 
-          Dos quais hidrogenados: 0.0g
-     Dos quais saturados: 1.5g
Fibra:  1.5g
Sódio: 66mg

     A informação nutricional engloba uma porção (neste caso, corresponde a cerca de 79g, 1 pão de microondas individual ou a totalidade da receita). Os valores estão sujeitos a erro humano e a alguma imprecisão, mas deverão estar próximos do valor real. 
______________________________________________________________________

domingo, 24 de janeiro de 2016

Papas de Aveia de Banana e Chocolate (no Microondas) (Saudável, Sem Glúten/Lactose, Sem Açúcar/Gordura Adicionados, Vegan)


Não vejo muitos filmes dramáticos (nem muitos filmes de todo). Parte das séries que vejo são pouco sérias, e as que o são nem sempre tornam os momentos mais tristes (que normalmente correspondem a mortes) emblemáticos.
Assim sendo, não sou a maior conhecedora de momentos provocadores de choro, tristeza ou uma vontade imensa de esmurrar alguém alguma coisa, mas já tive a minha quota parte - como é o caso das memoráveis mortes *alerta de spoilers: TWD, Death Note, Prison Break* do Hershel do TWD, da Andrea do mesmo programa apenas se choro de simultâneos alívio e irritação estiver incluído, do L do Death Note e do Michael do Prison Break, entre outras *fim de spoilers*. Há ainda o final do HIMYM, que, admito, me fez largar umas lágrimas de tão mau.
Com estas memoráveis cenas em consideração e frescas na memória, posso dizer sem réstia de dúvidas que nenhuma delas é capaz de sequer rivalizar (pronto, talvez a primeira das anteriores) com... A cassete (aaaah, cassetes. Quem é que ainda se lembra delas?) número oito da Heidi.
Quando era pequena adorava este programa. Vi todos os episódios várias vezes, e apesar de não gostar de queijo derretido experimentei-o mais vezes do que as de que me orgulho devido ao avô capaz-de-fazer-pão-com-queijo-com-ridículo-bom-aspeto da Heidi. Quando recebi o episódio fiquei contente, na minha inocência pré episódio 8 da Heidi. Depois vi-o, e finalmente, como se fosse uma frágil torre de cartas enfrentando sozinha as intempéries da realidade, a minha infância desmoronou-se à minha frente. 
Talvez esteja a exagerar (afinal de contas mal me lembro do episódio - quem sabe se as memórias foram reprimidas por constituírem um trauma demasiado forte), mas lembro-me perfeitamente de chorar imenso e de achar aquele episódio ser a coisa mais triste de sempre...
...Até um recente domingo frio e chuvoso. Em tal dia decidi, inocentemente, ver Fullmetal Alchemist - Brotherhood. Episódio 4, o episódio da quimera, nome que me marcará para o resto da vida. 
Quando terminou eu só queria enfiar-me num buraco escuro e definhar, não sem antes gritar 'porquêêê?!' ao mundo aos criadores do anime. Como é óbvio, não o fiz - fui antes para a cozinha experimentar estas papas. Escuras como o episódio... Mas com o bónus de serem deliciosas.




Papas de Aveia de Banana e Chocolate (no Microondas) (Saudável, Sem Glúten/Lactose, Sem Açúcar/Gordura Adicionados, Vegan)
Adaptado daqui
Para 1 dose individual (tigela da foto)

Ingredientes:
[  30g de aveia em flocos (certificada sem glúten para a versao sem glúten)
[  1 banana (100g)
[  120 + 100ml de leite (vegetal para as versões sem lactose e vegan)
[  1 colher de sopa de cacau em pó (a maior parte será apto para vegans, mas é melhor verificarem os ingredientes se for o vosso caso)

Preparação:
| Levar ao microondas a aveia, a banana em pedaços e 120ml de leite durante 2 minutos.
| Esmagar a banana, juntar os restantes 100ml de leite (pode ser a olho, conforme prefiram as papas mais espessas ou mais líquidas) e o cacau e envolver bem.
| Acabar de cozer no microondas durante cerca de 2 minutos.



Ficam umas papas muito reconfortantes, para quem gosta de aveia simples mas também para quem prefere que haja outros sabores por não estar habituado ao sabor neutro de papas não adoçadas. A consistência é cremosa, e a banana incorporada nos flocos dá um gosto agradável e faz um creme interfloco mesmo bom, além de se formar uma película superficial a la papas de cacau que é mesmo fabulosa. Prepara-se rápido, o que as faz óptimos para pequenos-almoços ou lanches em dias frios (ao contrário do de hoje, em que o sol aparentemente estava com vontade de me queimar viva enquanto corria) e sem tempo. A fruta ajuda imenso a que as papas de aveia não fiquem secas como acontece frequentemente quando são feitas no microondas.
Quando publiquei no facebook e instagram várias pessoas me pediram a receita e posteriormente enviaram mensagens a dizer que fizeram logo e adoraram e/ou foram as melhores papas de sempre e/ou me deviam a vida*, portanto já sabem!

*Ok, talvez não que foram as melhores papas de sempre ;)
_________________________________________________________________________
Informação Nutricional (por 1 malga)
Energia: 288kcal
Proteínas: 13.4g
Hidratos de Carbono: 43.8g
-       Dos quais açúcares: 12.5g
Lípidos: 7.1g 
-          Dos quais hidrogenados: 0.0g
-     Dos quais saturados: 1.5g
Fibra: 7.6g
Sódio: 26mg

     A informação nutricional engloba uma porção (neste caso, corresponde a cerca de 300g, 1 malga ou a totalidade da receita), sendo o leite considerado o de sopa da Alpro. Os valores estão sujeitos a erro humano e a alguma imprecisão, mas deverão apresentar valores próximos do valor real. 
______________________________________________________________________

sexta-feira, 22 de janeiro de 2016

Lanches para Crianças (e adultos!) - Sugestões (Parte I)


Há uns tempos foi-me pedida pelo Facebook do blog ajuda para sugestões de lanches para crianças. Achei a sugestão merecedora de um post e comecei a reunir fotos - claro, isto foi já há uma eternidade (ou 3/4 meses, mais ou menos), mas entre publicações adiadas e coletâneas de ideias não me esqueci. Sendo assim, aqui vão elas!
(Ou metade delas, já que a publicação ficou enorme e teve de ser dividida em duas partes pelo perigo de matar de desidratação alguma alma aventureira decidida a ler tudo de uma vez ...)

Em jeito de introdução... Está lindo, eu sei. ;)
Algumas das sugestões são gerais, outras envolvem receitas. Acho que às vezes também se assume que todas as crianças são umas esquisitas que torcem o nariz a tudo o que não for gomas, quando às vezes se podem surpreender, mesmo no que toca a coisas não doces. Quanto a receitas, havia algumas que tinha sem dúvida de incluir porque são estrelas no que toca a encantar miúdos, previsivelmente ou não!

Crepes de polvilho
Estes têm sem dúvida um lugar no pódio. O meu irmão, assumido pequeno enjoado, viu-me a tirar fotos uma vez, disse 'hmmm, CREPES' e pegou num. Só tinha comido estes, o que me fez pensar que não ia gostar por não serem doces ou, sei lá, farejar a ausência de manteiga, mas ele comeu-o. Todo. Mais outros cinco. Sem nada. Desde aí sempre que faço deixo-lhe vários, e ele até já pediu para levar para o lanche :)

Como comer crepes solitários se pode tornar aborrecido (finjam por momentos que acreditam que sim), deixo algumas das minhas combinações favoritas: 

Queijo fresco, mel e nozes: eu não sou fã de queijo com doce, marmelada outras coisas que não tostas, mas sugeriram-me e gostei muito! Claro, podem comer só com queijo fresco (adoro!), só com mel, com queijo fresco e mel, com mel e nozes, etc. Fica sempre bom!

Nutella saudável: para replicar os famosos crepes com Nutella!

Doce ou compota: fica muito bom e parece um pequeno-almoço francês, o que é sempre positivo. Dou preferência a doces caseiros sem açúcar ou de compra sem açúcar 'naturais'. 

Fruta: sou parcial a banana em rodelas! Com puré de fruta também resulta muito bem - o de maçã fica divinal. Pode ser caseiro ou comprado, há vários cujos únicos ingredientes são fruta e ácido cítrico, o que não é mau. 

Podem ainda juntar frutos secos picados ou sementes a cada uma das opções. Mel com amêndoa palitada fica delicioso!

Iogurte - revelação, eu sei

Toda a gente sabe que se pode comer iogurte (senão avisem que ponho um spoiler alert lá em cima), mas tenho algumas ideias favoritas. É difícil escolher o melhor para crianças, porque ou são azedos ou têm açúcar/adoçante. Acho que a melhor opção é mesmo usar um natural com apenas leite, fermentos lácteos e eventualmente leite em pó. Costumo usar iogurte grego ligeiro ou quark do Lidl e queijo batido/fromage frais, embora no geral os naturais sejam nutricionalmente bons.

Para o fazer comestível a pequenas crias não apreciadoras de sabores assim, sugiro:

Mel: em quase todas as receitas doces uso mel para adoçar. O açúcar está fora de questão e adoçantes prefiro não usar (por várias razões, sendo a 2ª saberem mal); restam-me alternativas requintadas como xarope de seiva de ácer ou açúcar de beterraba, que raramente tenho [~~] e é pouco acessível, incluindo para vocês potenciais executores de receitas. Sendo rico em açúcares também, tem outras propriedades, é 'natural' e o índice glicémico modera-se com outros ingredientes e limitando a quantidade.

Fruut: eu já fiz um post em que mencionei os produtos, mas isto com iogurte fica MESMO bom. Tenho comprado de vez em quando para esse efeito - adoro sempre. Além de já ser doce, por ser fruta, claro. 

Fruta: banana em rodelas, maçã, manga, pêra, maracujá - qualquer uma fica boa e corta a acidez. Já fiz com puré de manga misturado e maracujá por cima e ficou delicioso! 

Fruta (congelada e triturada): outra maneira excelente de tornar doce o iogurte é triturar fruta com ele. Além de ficar com cores muito apelativas fica com um sabor leve e (obviamente) frutado muito agradável. Gosto especialmente de o fazer com banana ou morango congelados. 

Mousse de manga
Esta é uma receita muito particular que não será tão diversificada, mas não podia deixar de figurar aqui porque, além de ter uma cor vibrante atrativa, também é muito susceptível de ser um sucesso. Não tem açúcar nem adoçantes adicionados, e tem alguma proteína (vinda de iogurte e gelatina) para equilibrar o lanche (que à português raramente tem muito mais do que hidratos de carbono). Quando faço é devorada em três tempos e tenho sorte se reservo um potinho para mim. É altamente gostável e simples de fazer, até adequada a mini chefs! :D

E por aqui se fica a primeira parte. Esperem a segunda para mais sugestões - brevemente, porque já sei que estarão ansiosos à espera de saber se o Jon Snow está vivo se o Glenn se escondeu debaixo do contentor que opções de lanches eu irei publicar... ;)

sábado, 16 de janeiro de 2016

Tarte de Queijada (Saudável, Sem Açúcar/Gordura Adicionados, Sem Glúten/Lactose)


Durante anos usei uma balança velhota analógica. Não tinha outra (exceto uma balança ainda-algo-mais velhota e de-igual-maneira analógica), e por isso usava aquela que conhecia desde sempre - castanha, com um recipiente prateado e minúsculos espaços a representar vinte gramas (imaginem a exatidão daquilo). Mesmo não sendo moderna ou demasiadamente funcional, não me lembro de uma vez em que uma receita tenha corrido mal por sua causa (ao contrário das vezes bem presentes na memória em que as receitas correram mal devido ao meu excesso da condição crónica, ainda que aligeirada pelo tempo, conhecida por falta de jeito).
Recentemente ofereceram-me um robot de cozinha, e com ele veio um extra - uma pequena balança digital. Prontamente aboli todo e qualquer uso da balança anterior relacionado com a sua função (já que continuou a ser portadora de tralha, não lhe ia tirar isso também) e comecei a utilizar a digital, mais exata e fácil de utilizar... Aparentemente. 
Passado algum tempo comecei a ter estranhos sinais - a máquina ligava-se frequentemente sem ninguém lhe tocar e a massa da água sugerida não correspondia ao volume obtido através dos copos medidores. E finalmente sinais ainda estranhos mas adicionalmente frustrantes - o pudim-desastre e o bolo-desastre. 
Já vos falei aqui do pudim-desastre - a receita não-tem-como-correr-mal de família, repetida vezes sem conta... Que finalmente, devido à malévola ação da balança, correu mal. E a coisa ficou séria.
Posteriormente houve também a ocorrência do bolo-desastre, observando-se uma textura diferente da esperada no bolo enqueijado também já feito várias vezes sem problema.
Foi fácil chegar à conclusão da detentora da culpa (desta vez não eu) - a balança. Talvez a minha balança antiga tenha sido a provocante iniciadora de rixas noturnas e clandestinas de balanças, por sinal passíveis de estragar balanças modernas e mais sensíveis. Talvez a balança nova seja um manipulador aparelho tecnológico com inteligência artificial, como o SAL dos 'Miúdos do Recreio'. Acho que nunca saberemos.
O que saberemos é o desfecho disto tudo - o regresso à minha boa, velha e grosseira nas medidas balança. Porque há bolos enqueijados que definitivamente não merecem correr mal.
Todos.






Tarte de Queijada (Saudável, Sem Açúcar/Gordura Adicionados, Sem Glúten/Lactose)
Adaptado daqui
Para 1 tarte grande ou 12 fatias

Ingredientes:
[  750ml de leite (resulta com qualquer um - meio gordo, magro, sem lactose ou vegetal)
[  200g de farinha de aveia (flocos triturados) (sem glúten para a versão sem glúten)
[  3 ovos
[  50g de mel
[  1 colher de chá de extracto de baunilha
[  1 colher de chá de fermento


Preparação:
|  Num recipiente grande, juntar todos os ingredientes e bater bem com um garfo.
|  Transferir para uma forma antiaderente ou untada e enfarinhada e levar ao forno pré-aquecido a 180 graus durante cerca de 40 minutos ou até a massa estar sólida ao toque.



Este bolo, sendo muito diferente de todos os outros saudáveis cujas receitas já publiquei, é maravilhoso. O título 'bolo' encaixa de forma estranha, até, uma vez que a textura é mais similar à de uma queijada ou mesmo tarte de pastel de nata/de flan (até cheira a tarte de flan, embora esta não tenha base é uma óptima comparação). É consistente e cremosa ao mesmo tempo, com um sabor muito suave típico de sobremesas 'ricas' à base de leite, tons deliciosos de baunilha e uma textura (de queijada, dizer que parece queijada nunca é demais, certo?) que condiz na perfeição. Ainda pensei que neste tipo de coisa a aveia pudesse conferir uma textura estranha, estando-se habituado aos resultados com amido de milho, mas fica mesmo delicioso. 
Cria duas camadas ligeiramente distintas, a de baixo um bocadinho mais densa e a de cima mais em creme, o que aumenta as parecenças com tarte. A minha mãe diz que é das melhores coisas saudáveis que já fiz, e olhem que, modéstia à parte, a concorrência é forte!
_________________________________________________________________________
Informação Nutricional (por 1 fatia)
Energia: 123kcal
Proteínas: 5.5g
Hidratos de Carbono: 18.0g
-       Dos quais açúcares: 3.7g
Lípidos: 2.8g 
-          Dos quais hidrogenados: 0.0g
-     Dos quais saturados: 0.5g
Fibra: 1.7g
Sódio: 17mg

     A informação nutricional engloba uma porção (neste caso, corresponde a cerca de 100g, 1 fatia ou 1/12 da receita). O leite considerado é meio gordo. Está sujeita a erro humano e a alguma imprecisão, mas deverá apresentar valores próximos do valor real. 
______________________________________________________________________

domingo, 10 de janeiro de 2016

Pizza (Saudável, Sem Glúten, Sem Gordura Adicionada)

Acho que uma infância decente tem de incluir, para além dos óbvios jogos de game boy pixelados, tentativas de voar e programas como Digimon (por alguma razão o Pokemon nunca me cativou), Oliver & Benji e Doraemon, brincadeiras com as mesinhas brancas de plástico que vêm com as  pizzas encomendadas.
Tudo o que está associado às mesinhas de plástico das pizzas encomendadas tem uma conotação positiva - a descoberta do número de mesinhas na caixa e o forte aflorar de emoções quando este era superior ao normal (equiparável ao de quando veio um gelado extra num pacotinho de gelados mini, um dos maiores acontecimentos da minha vida, ainda que equilibrado pelo universo no dia em que comi um pacote de bolachas de água e sal que tinha apenas 4 bolachas), a sua metódica limpeza com um guardanapo e posterior utilização enquanto suporte de mini-bules de chá até chegar a próxima novidade e a atenção passar para ela... Toda uma era.
Sendo clara a minha adoração por estes mini-objetos, será óbvio que quando (mais tarde do que me orgulho) descobri que serviam para as pizzas não serem amassadas na caixa o meu coração ficou destroçado. Parecia que os pensadores por trás do sistema estavam a brincar com as emoções dos clientes - colocar na pizza mesinhas brancas que serviriam claramente para a decorar (quem é que não gosta de decorar comida com mini mesas de plástico?!) e depois reduzi-las ao seu propósito de não permitir que a pizza fique esmagada... Claramente insensível.
Se também têm estas divergências com as pizzas encomendadas, façam antes esta - simples, rápida e ainda por cima saudável!





Pizza (Saudável, Sem Glúten, Sem Gordura Adicionada)
Adaptado daqui
Para 1 pizza individual pequena

Ingredientes:
[  1 ovo
[  2 colheres de sopa (20g) de polvilho (doce ou azedo) 
[  1 pitada de sal
[  1/2 de colher de chá de fermento
[  1 colher de sopa de molho de tomate (ou a gosto)
[  20g de queijo mozzarella (ou outro) ralado (ou a gosto)
[  Orégãos a gosto (opcional)

Preparação:
| Num recipiente, colocar o ovo, o polvilho, o sal e o fermento, batendo bem.
| Colocar a mistura numa frigideira anti-aderente com cerca de 15cm de diâmetro (ou maior se preferirem a base fina e crocante) já quente e deixar cozinhar em lume baixo. Deixar tostar a parte de baixo, virar com uma espátula e esperar que toste do outro lado. 
| Retirar para um tabuleiro de forno forrado com papel vegetal (ou para uma rede de forno). 
| Espalhar o molho de tomate na superfície, adicionar o queijo e polvilhar tudo com orégãos.
| Levar a pizza ao forno pré-aquecido a 200 graus durante cerca de 10 minutos (ou até o queijo derreter).

Uma mini fatia :)


Como é óbvio, os ingredientes do recheio (molho de tomate, queijo e orégãos) podem ser alterados. As possibilidades são imensas - cebola, pimentos, atum, frango... É só escolher os preferidos.
A pizza resultante não é propriamente grande, julgo que tem o tamanho perfeito para uma dose individual com algum acompanhamento (eu comi com sopa).
Fica muito boa, além de simples e sem esquisitices - mais rápido do que a própria, comum e plebeia (:P) pizza normal (que tem de levedar e tal). Tem o sabor próprio da pizza, com a base crocante e muito boa, mais ao estilo da pizza italiana estaladiça.
Apesar de ser alterável, a parte do molho de tomate, queijo e orégãos, conjugada com a base deliciosa e o seu sabor agradável mas leve resulta na perfeição. Convence qualquer fanático por pizza, parece-me. Uma óptima e prática alternativa para quando vos apetecer uma pizza sem a overdose de gordura e farinha refinada! Guarda o melhor que essas tem, subtraindo os longos períodos de espera por que o fermento faça efeito ou, eventualmente, os 2 litros de óleo que ingerem se for da Telepizza. Não que os 2 tipos não possam conviver na vida de uma pessoa, claro!
_________________________________________________________________________
Informação Nutricional (por 1 pizza individual)
Energia: 198kcal
Proteínas: 11.5g
Hidratos de Carbono: 20.8g
-       Dos quais açúcares: 1.7g
Lípidos: 8.0g 
-          Dos quais hidrogenados: 0.0g
-     Dos quais saturados: 3.5g
Fibra: 0g
Sódio: 343mg

     A informação nutricional engloba uma porção (neste caso, corresponde a cerca de 100g, 1 pizza individual ou a totalidade da receita). Está sujeita a erro humano e a alguma imprecisão, mas deverá apresentar valores próximos do valor real. 
______________________________________________________________________

sábado, 9 de janeiro de 2016

Passatempo

Estou a realizar um passatempo para leitores e seguidores. 
O 'prémio' está na figura - 1,5kg de aveia com sabor, 1 quest bar e 1 pacote de slim pasta.* 
Apenas é obrigatório cumprir um dos 3 parâmetros seguintes (qualquer um). No entanto, quantos mais cumprirem mais possibilidades terão de ganhar. São eles:

- Seguir o blog (cremedeavelas.blogspot.com) e fazer um comentário com o nome de seguidor nesta publicação (ou na correspondente no facebook).
- Gostar da página de facebook, partilhar a publicação do passatempo em modo público e deixar na mesma um comentário com o link da partilha.
- Seguir a conta de instagram (@creme_de_avelas), fazer 'repost' (podem só publicar screenshot) da publicação do passatempo no IG, identificando-me, e deixar na minha publicação (no FB ou IG) um comentário com o nome da conta.
No total deverão fazer entre 1 e 3 comentários.

Válido apenas para Portugal Continental até 31 de Janeiro às 24h00.
*O vencedor poderá escolher os sabores ou formatos entre os disponíveis na altura em que terminar o passatempo.


sábado, 2 de janeiro de 2016

Bolo Húmido no Microondas (Saudável, Sem Açúcar Adicionado, Sem Gordura Adicionada)


O Natal que passou (já agora, se vou ainda a tempo, boas festas) lembrou-me de um tema que nunca sai de moda - a escolha de presentes. Já não vou tocar no tema do dia de escolha de presentes, para a coisa não se tornar pessoal (mas, em virtude do meu precioso tempo desperdiçado em trânsito por culpa de falta de organização alheia, deixo aqui uma mensagem: dia 24 não. Por favor).
É fácil escolher uma coisa para oferecer a quem tem gostos específicos - ninguém tem grandes dúvidas no que toca a comprar uma prenda para alguém maluco por uma banda, escritor, desporto ou programa. Mas depois há gente que parece pretender dificultar a vida de quem lhe irá comprar uma prenda (vá-se lá perceber a lógica) - que não tem gostos específicos, não é fã de nada nem de ninguém mas sim uma espécie de camaleão recetor de presentes, sem tendência para ter nenhum gosto em especial na sua existência transparente e isenta de especificidades de caráter como um bandido que lixa os dedos para não ter reconhecidas as impressões digitais (avisem quando estiver a levar a análise longe de mais). E essa gente é bastante desesperante.
Felizmente para nós, existe a indústria dos chocolates, sempre pronta a inventar convenções com publicidades insistentemente repetidas e enfiar-nos caixas de bombons exageradamente caros pela goela. Ou a levar-nos a fazê-lo aos outros.
Resolvidos todos os problemas relativos à escolha dos presentes, eis que se torna moda uma bendita sequela dos chocolates de Natal - aveia com sabor a Ferrero Rocher. E quem sou eu para não aderir...





Bolo Húmido no Microondas (Saudável, Sem Açúcar Adicionado, Sem Gordura Adicionada)

Ingredientes:
[  25g de farinha de aveia com sabor (usei de Ferrero Rocher) (ver substituições e onde comprar no fim)
[  5g de cacau ou coco (omitir para sabores de aveia com os quais o coco ou cacau possa ficar estranho)
[  1 clara (30ml)
[  30ml de leite (pode ser vegetal, para a versão sem lactose)
[  1 pitada de fermento 

Preparação:
| Numa malga ou recipiente que possam ir ao microondas, juntar todos os ingredientes e mexer bem até que a mistura fique homogénea.
| Levar ao microondas durante 20 a 40 segundos (o da imagem esteve 30s no microondas. Depende da preferência - pode ser mais ou menos húmido). 



Comprei a aveia na loja online Nutritienda (há noutras, basta procurar). Existem vários sabores (Ferrero Rocher, Donut, Brownie,...), cada um deles com diferentes ingredientes (sendo a chave aveia, aroma, adoçante) mas com a informação nutricional muito semelhante entre si e à aveia 'normal'. Podem ver o produto aqui. Se não tiverem nem pretenderem comprar, podem substituir por aveia normal e algum adoçante, mel ou açúcar.
Este bolinho é de certa forma semelhante ao brownie de microondas já por cá, não consigo dizer se melhor ou pior porque são ambos fantásticos. Gosto deles húmidos, completamente cozidos são bons também mas mais enjoativos e aquém da versão semi crua.
É uma óptima opção para quem não usa whey protein ou, como eu, não consome com frequência, sendo bastante adequada para qualquer lanche ou pequeno-almoço. Fica com um gosto delicioso e subtil ao sabor da aveia utilizada, se este tiver realmente aroma. A textura é cremosa como a de um 'lava cake' - e é TÃO bom :D
Edição: Adicionei a alternativa ao cacau (coco) porque experimentei a combinação e ficou fantástica. Parece Raffaello! ;) 
_________________________________________________________________________
Informação Nutricional (por 1 bolinho)
Energia: 131kcal
Proteínas: 8.9g
Hidratos de Carbono:16.0g
-       Dos quais açúcares: 0.8g
Lípidos: 3.9g 
-          Dos quais hidrogenados: 0.0g
-     Dos quais saturados: 0.3g
Fibra: 3.8g
Sódio: 37mg

     A informação nutricional engloba uma porção (neste caso, corresponde a cerca de 100g, 1 bolo ou a totalidade da receita). Está sujeita a erro humano e a alguma imprecisão, mas deverá apresentar valores próximos do valor real. 
______________________________________________________________________
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...