quarta-feira, 29 de junho de 2016

Pão de Batata-Doce e Milho (Saudável, Sem Açúcar Adicionado, Sem Glúten/Lactose)


Desde o primeiro contacto desagradável que tive com a batata-doce já a cozinhei imensas vezes de formas deliciosas, assumindo-me assim como uma fã do famoso tubérculo (eu sei, melhor nome ainda está para lhe ser atribuído). Já a cozinhei no forno, no fogão e até no microondas, em vários acompanhamentos e diferentes pratos principais... Mas até agora só fiz uma mísera receita doce com ela.
Pode parecer estranho, dada a minha clara inclinação para receitas doces - esta batata é largamente usada quer na pastelaria tradicional quer na adaptação de determinados doces a saudáveis, por estar associada a uma alimentação correta. E aqui estou eu, adepta de ambas, a admitir que sou uma degenerada enquanto tal.
A verdade é que, como já disse por aqui, traumáticas experiências passadas provocam em mim um enorme medo de que doces feitos com ingredientes particulares (e não falo só de batata-doce: aqui inclui-se feijão, abóbora, espinafres e todas as outras coisas que as pessoas aventureiras tendem a colocar em bolos) saibam a... Esses mesmos ingredientes particulares. 
Não me culpem - se alguma vez, inspirados na famosa receita de panquecas com dois ingredientes (banana e ovo), pensarem que poderão conseguir fazer panquecas com apenas batata-doce e ovo, poderão então prová-las e compreender que o meu medo é completamente justificado. Logo a seguir a cuspirem as panquecas mais horríveis de sempre. Não que me tenha acontecido.
Porque eu não quero permanecer revoltada contra sobremesas (ou doces no geral) com batata-doce para sempre, aqui está um pão com 'ela': uma receita que não é propriamente doce nem propriamente salgada, quiçá o meio termo que me permitirá fazer uma leve transição entre uns e outros. Dando-me entretanto a possibilidade de provar um pão maravilhoso.
(Escusado será dizer, seguiu-se-lhes um bolo de batata doce. Que, caso não se escuse a adenda, ficou fenomenal. Mas terão de aguardar pela season premiere. :P) 






Pão de Batata-Doce e Milho (Saudável, Sem Açúcar Adicionado, Sem Glúten/Lactose)
Adaptado daqui

Ingredientes:
[  4 ovos
[  250g de batata-doce cozinhada e descascada*
[  4 colheres de sopa de azeite
[  2 colheres de sopa de quark (ou iogurte, vegetal para a versão sem lactose)
[  1 pitada de sal
[  1 pitada de canela (opcional)
[  70g de farinha de milho (podem usar outra farinha)
[  1 colher de chá de fermento
[  Nozes (a gosto) (opcional)

Preparação:
| Num recipiente grande, colocar os ovos, a batata-doce, o azeite, o quark, o sal e a canela e triturar tudo com a varinha mágica (podem também fazê-lo num processador ou liquidificadora).
| Adicionar a farinha, o fermento e as nozes e envolver.
| Colocar numa forma pequena forrada com papel vegetal e levar ao forno pré-aquecido a 180 graus durante cerca de 30 minutos.

*Podem cozer ou fazer no microondas, segundo este procedimento (mas sem a parte de cortar ou grelhar).



Agora estão em voga pães envolvendo os mais variados ingredientes; no entanto, e sem prejuízo para a sua aprazibilidade, são no geral um verdadeiro atentado às finanças pessoais. Sei que muitas vezes a preguiça fala mais alto na altura de dar tempo às leveduras criadoras de fofura, daí optar frequentemente por 'pães rápidos' com fermento de bolo: aqui está um excelente exemplar resultante desta minha brilhante prática. Em três passos e com ingredientes banais - mas, e talvez a oposição fosse desnecessária, bem saudáveis -, ficam com um pão leve, saboroso, nutritivo e barato. Congelei algumas fatias, e resulta nuns pequenos-almoços bem práticos! Fica bem com doces e salgados, ou mesmo sem nada. A consistência é a ideal e adorei a cor; quanto ao gosto, é suave e bem agradável, sem apelar estranhamente a qualquer dos ingredientes. Resumindo: per-fei-ção. 
_________________________________________________________________________
Informação Nutricional (por 1 fatia)
Energia: 64kcal
Proteínas: 2.4g
Hidratos de Carbono: 7.4g
-       Dos quais açúcares: 1.3g
Lípidos: 3.0g 
-          Dos quais hidrogenados: 0.0g
-     Dos quais saturados: 0.6g
Fibra:  0.9g
Sódio: 36mg

     A informação nutricional engloba uma porção (neste caso, corresponde a cerca de 40g, 1 fatia ou 1/15 da receita). Os valores estão sujeitos a erro humano e a alguma imprecisão, mas deverão estar próximos do valor real. 
______________________________________________________________________

sexta-feira, 24 de junho de 2016

Coquinhos (3 ingredientes) (Sem Glúten/Lactose, Sem Açúcar/Gordura Adicionados, Paleo)


Não sei se conhecem o pocket. Basicamente, é um site/aplicação que permite guardar páginas e artigos que se encontrem na Internet através dos seus links, permitindo depois organizar tudo por etiquetas, favoritos, etc. Funciona como um ótimo descargo de consciência - estão a ver aquela receita para que olham e dizem 'tenho de fazer' quando sabem de antemão que se vão esquecer dela? Com o pocket podem certificar-se de que não se esquecem, o que é bem útil - até determinado ponto. Há eventualmente uma linha a ser ultrapassada, na passagem do 'vou guardar aqui meia dúzia de ideias para experimentar' para 'vou guardar todas as receitas que me aparecem à frente e esperar que um eu futuro extremamente dedicado tire um ano sabático para as experimentar todas'. Com mais de cinco milhares de receitas guardadas, acho que tenho de confessar que me encaixo na segunda categoria.
Tenho ainda uma 'lista imediata', onde vou guardando as receitas quando não me apetece fazer login no pocket as quero fazer mais rapidamente, mas mesmo essa não tem a sorte de se ver completamente riscada (o que é uma pena, porque listas com todos os itens riscados são a coisa mais agradável de sempre). Não sei como esta ou a outra estariam sem o maior propulsionador do cumprimento destas listas - o ritmo de maturação de vegetais, que compro com a ideia de utilizar numa receita e não me deixam esquecer-me de tal, olhando para mim com o seu ar bem mais próximo de apodrecer do que o que seria razoável para produtos comprados há alguns dias (obrigada, supermercados, por transferirem os frescos do frigorífico para os expositores).
Há, claro, exceções; é o exemplo destes bolos. Não passaram pelo poço negro de espera e frustração das minhas listas (não se preocupem com a falta de eficiência, estou a considerar estabelecer um sistema de pulseiras em breve ;)), porque assim que me ocorreu que fazer coquinhos numa versão saudável seria fácil fui misturar os poucos ingredientes que utilizei para os fazer e colocá-los no forno. Só para verificar, quando de lá saíram, que a prioridade atribuída foi totalmente justificada...





Coquinhos (3 ingredientes) (Sem Glúten/Lactose, Sem Açúcar/Gordura Adicionados, Paleo)
Para 16 coquinhos

Ingredientes:
[  100g coco ralado
[  1 colher de sopa de mel (cerca de 20g)
[  2 ovos

Preparação:
| Colocar todos os ingredientes (coco, mel e ovos) num recipiente pequeno e mexer muito bem.
| Dividir a mistura por formas pequenas, colocá-las num tabuleiro e levá-las ao forno pré-aquecido a 180 graus durante cerca de 15 minutos (ou até que os coquinhos fiquem dourados).


Estes coquinhos foram aprovados por grandes fãs da iguaria - e, claro, por mim. São surrealmente fofinhos! Pode parecer que têm pouco mel, mas o que têm, juntamente com o coco, confere ao resultado um sabor muito agradável. Pessoalmente não sou a maior fã dos normais (não sei porquê, sinto-os sempre uns 'lacklusters'), mas adorei estes, que são menos enjoativos e têm um sabor mais leve. De realçar a enorme simplicidade, já que demoram 5 minutos a ser feitos! 
_________________________________________________________________________
Informação Nutricional (por 1 coquinho)
Energia: 53kcal
Proteínas: 1.1g
Hidratos de Carbono: 2.7g 
-       Dos quais açúcares: 1.5g
Lípidos: 4.7g 
-          Dos quais hidrogenados: 0.0g
-     Dos quais saturados: 3.9g
Fibra:  0.8g
Sódio: 10mg

     A informação nutricional engloba uma porção (neste caso, corresponde a cerca de 12g, 1 coquinho ou 1/16 da receita). Os valores estão sujeitos a erro humano e a alguma imprecisão, mas deverão estar próximos do valor real. 
______________________________________________________________________

sexta-feira, 17 de junho de 2016

Produtos #4 - Produtos Variados da Prozis

Não sendo apologista de publicidade desmedida em blogs, achei pertinente esta 'campanha' da Prozis através da Primetag, pelo que este post está associado a ambas (embora, como sempre, as opiniões sejam minhas). Uma vez que nas últimas encomendas experimentei alguns produtos novos (e alguns já clássicos, como as Quest Bars) que vos queria dar a mostrar, aproveito esta oportunidade para o fazer.

Caso tenham vergonhosamente falhado o post sobre a loja online, podem vê-lo aqui. Agora em particular podem usufruir de um desconto de 15% em várias marcas* utilizando o código PRIME-15, assim como de vários outros que podem consultar no site.

Estes produtos são alguns que já provei ou vou/quero fazê-lo. Basta, em qualquer uma das imagens, carregarem naquele em que estão interessados para serem direcionados à página deste no site da Prozis, onde podem encomendá-lo ou apenas ver a informação nutricional, ingredientes e opiniões de alguns clientes.


Agora, como eu sei que vocês precisam muito dela, a minha opinião sobre cada um deles:

Oh Yeah! Bar


Estas barrinhas estão disponíveis em vários sabores, todos muito tentadores; a dose é bastante generosa, já que cada barra tem 85g. São barrinhas proteicas, não tão 'limpas' como as quest, já que têm mais ou menos a mesma quantidade de hidratos de carbono que de proteína (embora tenham menos 'net carbs'). Isto justifica-se com a textura e sabor: são muito mais parecidas a uma barra normal e decadente, com direito a caramelo a escorrer e tudo. A da foto, que foi a que eu experimentei, é de caramelo e manteiga de amendoim (tinhas de ser ;)). Não tirei fotografia do interior, pelo que vão ter de imaginar ;)

Quest Bar


São. Tão. Boas. As Quest Bars são, aliás, o motivo pelo qual eu me iniciei nos sites de encomendas em primeiro lugar. Para além de estarem disponíveis num monte de sabores típicos e maravilhosos (pastel de abóbora, cookies and cream, chocolate chip cookie dough,...), têm no geral 1g de net carbs e mais de 20g de proteína por barra, sendo os ingredientes muito aceitáveis. A textura é perfeita, maleável e com um toque crocante em sabores com pedaços que resulta muito bem. Aquecidas no forno ou microondas fazem uns belos bolinhos paralelepipédicos! Esta da foto é de brownie de chocolate, e tem um sabor maravilhoso a bolo de chocolate de aniversário :)

99cal bar

Esta fotografia não tem como fundo a minha mesa porque, apesar de ter comprado a barra, ainda não a provei. Quando provar digo alguma coisa, podem sempre ir acompanhando as minhas experiências na página de facebook ou conta de instagram, que atualizo com frequência. Em termos nutricionais esta barrinha é interessante porque, apesar de cair no sensacionalismo 'barrinha com menos de 100kcal', não é tão pobre como as clássicas de cereais, uma vez que tem 9g de proteína e apenas 2g de açúcar. Está disponível nos sabores chocolate e caramelo, chocolate e baunilha e chocolate branco e morango.

Oats & Whey Flapjack Bar (x6)


Estas barrinhas vieram como oferta na minha última encomenda, pelo que não as escolhi, mas foram uma agradável surpresa. O sabor que provei foi o de limão, e fiquei fã: têm uma textura elástica (de uma forma agradável) que associei a gomas :P
Em termos nutricionais, têm uma combinação interessante de hidratos de carbono (em grande parte devido à aveia) e proteína (em grande parte devido à whey).

Protein Pudding


Este é mais um produto que ainda não provei, embora o tenha por aqui. São uns 'puddings' (não é bem o mesmo que pudim, mais uma sobremesa/espécie de creme) de baunilha ou chocolate (os que eu comprei são de baunilha) com alto teor de proteína - 15g por pote. Parece-me que ficarão aprovados. :) Já li reviews bem favoráveis!

Manteiga de Amendoim de Caramelo


Acima, como topping de pipocas. Enquanto fã nº1 de manteiga de amendoim, é óbvio que tinha de experimentar esta com sabor a caramelo (também há de chocolate). Ficou mais que aprovada: o sabor a caramelo não é muito forte, mas chega para dar um toque doce pecaminoso à manteiga. A textura também é um pouco diferente, não sei explicar, mais consistente e 'escorregadia', no bom sentido (yup, esta descrição é o melhor que consigo fazer - o melhor é provarem ;)).

Whey Protein Malts

Este é o único produto do post que não experimentei nem encomendei para experimentar, mas a sua constante presença nas redes sociais a fazer o que faz melhor - ter bom aspeto - garantiu-lhe um lugar aqui. São uma espécie de maltesers com whey, que imagino que sejam deliciosos. Infelizmente, serem deliciosos parece gerar muita procura, pelo que estão sempre esgotados quando eu faço uma encomenda.

Paleo Concept Bar


Estas barrinhas destacam-se das outras que aqui mostrei por serem muito naturais e ricas em hidratos de carbono (por oposição a proteína) em consequência disso. Os ingredientes são fantásticos; por exemplo, esta que eu provei tinha tâmaras, cajus, nozes de macadâmia, cacau e óleo de coco apenas. Melhor é difícil. ;)
A textura é agradável, maleável e também próxima à de um rebuçado (avisem quando estiver a chamar 'rebuçado' a demasiadas coisas) devido ao ingrediente principal (tâmaras).

E pronto, é isto. Espero que tenham gostado e se inspirem para as vossas encomendas, à medida que for provando mais produtos vou dando a minha opinião. Nota importante: se fizerem uma encomenda no site não se esqueçam de que todos estes produtos são secundários, o mais importante é abastecerem-se de uns quilos de manteiga de amendoim natural a bom preço. O caráter prioritário da manteiga de amendoim deve sempre estar na vossa mente ;)

*As marcas nas quais podem ter 15% de desconto, utilizando o cupão que mencionei, são as seguintes: Prozis, MuscKit®, Bodyraise, Xcore, WIN Nutrition, MyFuel, Prozis Sport, Okygen Sports, Okygen, Prozis Foods, BeFit Bags, Crossgen, MyVegies, XCORE Savage, Shak3Pack, Real Deelite, Prozis Meals.

domingo, 12 de junho de 2016

Produtos #3 - Cereais de Pequeno-Almoço

Aqui estou eu novamente com um post de produtos, desta vez sobre um tema altamente inovador e inexplorado: cereais de pequeno-almoço (segurem esses queixos). 

A esmagadora maioria das opções disponíveis de cereais deste género está carregada de açúcar, farinha refinada e muitos outros aditivos - como diria um René Descartes moderno e fit, 'para examinar a verdade, é necessário, uma vez na vida, colocar todas as coisas todos os cereais em dúvida o máximo possível'. Longe de mim passar horas a escrever um post desnecessário com fotos de cada tipo de cereal pouco saudável disponível no mercado contradizer o renomado filósofo, ao invés de começar a enumerar todas as opções de cereais não saudáveis vou mencionar apenas as que considero que são. 

*olhar de aprovação* (foto daqui)
Se repararem bem, é ele quem está na capa dos cereais da 'Quaker'... :P

Assim sendo, só em jeito de esclarecimento e porque já sei o quanto precisam dele, deixo um pequeno diálogo imaginário entre mim e alguém que ainda tenha dúvidas quanto aos cereais comuns não serem saudáveis.

'Nem mesmo os cereais fitness são saudáveis?'
'Não.'
'E os kellog's, que não são tão doces?'
'Não.'
'Os chocapics têm cereais integrais. Esses já são saudáveis?'
'Não.'
'Granolas de compra?'
'Não.'
'Recheados com chocolate?'
'Boa tentativa Não.'

Imagino que tenham percebido a ideia... ;) 

Agora que já tiramos esta parte a limpo, podemos prosseguir. Começando pelo mais simples:

Muesli

Se há cereais que têm potencial para serem muito 'clean' são os mueslis. Consistem, no geral, numa mistura de aveia, frutos secos e fruta, tudo cru. No entanto, é preciso ter bastante atenção aos rótulos - a maior parte dos que se encontram nos supermercados têm açúcar adicionado. A maior parte dos que não têm está em zonas do supermercado dedicadas a produtos saudáveis que têm como objetivo justificar preços exagerados, mas há na zona dos cereais de alguns (do Continente, por exemplo) um da 'Alpen', com embalagem azul, sem açúcar também (mas tem leite em pó adicionado, algo desnecessário).

Podem, como ótimos detetives que imagino que sejam, constatar que não inseri aqui nenhuma fotografia de muesli - isto deve-se a eu não comprar nenhum há séculos. 'Porquê?', perguntam vocês? Porque os que não têm açúcar tendem a ser excessivamente caros, e não estou para pagar 5 euros por um pacote com ingredientes baratos que posso simplesmente misturar em casa sem adicionar ingredientes horríveis como passas (não se note a parcialidade na apreciação das passas). Sugiro que façam o mesmo; basta misturar num frasco grande cereais (gosto especialmente de aveia) com sementes ao vosso gosto, frutos secos e, caso sejam fãs de passas, vergonha na cara passas. Simples e económico ;)

Granola

A granola é, basicamente, o parente tostado do muesli. O facto de ser tostada é visto pelas marcas como uma oportunidade de lhe adicionar açúcar, óleos e outros ingredientes menos maus, de forma a fazer aglomerados e ficar mais doce e crocante. Assim sendo, é bastante mais difícil encontrar granola saudável do que muesli saudável - sugiro mesmo que façam em casa, porque fica deliciosa. Não querendo ser parcial na sugestão da receita... 

...A minha é deliciosa ;)
Corn Flakes

Os corn flakes, por serem feitos a partir de flocos de milho e não de farinha, têm menos hipóteses de estar carregados de açúcar, pelo que no geral são um bom partido. No entanto, temos novamente de considerar a paixão da indústria pelos ingredientes menos saudáveis, que acabam por ser adicionados na maior parte das vezes. Desta forma, se forem ler a maior parte dos rótulos deste género de cereais no supermercado, verão que incluem açúcar.

No entanto, encontram-se com relativa facilidade versões não açucaradas (felizmente). Acho que há da marca do mini preço, por exemplo, mas não tenho a certeza e nunca comprei. Aqui está um exemplo de uma lista de ingredientes decente, admirem:

Um raro avistamento nos dias de hoje
A qualidade da foto é que já não está tão decente - não se pode ter tudo... ;)

E a que pacote de cereais pertence esta promissora amostra, perguntam vocês? 

Corn Flakes da marca 'Nacional'
São bastante comuns, encontram-nos na maior parte das superfícies comerciais. Rondam os 2 euros por caixa, o que, não sendo propriamente um valor baixo se compararmos com as versões de marca branca, não é tão alto assim tendo em conta os preços de outros cereais saudáveis.

Weetabix


Estes cereais são bastante populares, e na minha opinião até que merecem sê-lo, porque são bons e versáteis. A lista de ingredientes inclui açúcar, mas a percentagem deste é bastante pequena (já que 95% do conteúdo é trigo integral).

O preço normalmente é puxado, mas encontro no fiel E. Leclerc a embalagem acima, com 36 unidades, a cerca de 3 euros. Fica a pouco mais de 5 euros/kg, menos do que na maior parte dos supermercados. Por alguma razão, estes cereais raramente têm descontos. Go figure :P

Quando os comprei pela primeira vez fiquei um bocado na dúvida quanto à preparação. Normalmente os cereais tradicionais vêm prontos para adicionar ao leite ou iogurte, mas os weetabix são especiais. Uma pessoa abre a embalagem e depara-se com isto:

What?!
Sim, eu sei que a imagem na capa dos cereais é já bastante elucidativa quanto ao aspeto destes, mas a materialização da estranheza tem um impacto maior. 

Como sou uma boa samaritana, vou dar-vos exemplos de como preparar os cereais. Devem saber que sou uma pessoa original antes de seguirem para a primeira foto, senão vejam:

Weetabix com iogurte, mel e avelãs
Segurem-se nessas cadeiras. ;)

Podem ir desfazendo os pedaços de weetabix rudimentarmente com a colher enquanto comem devido a terem-nos colocado inteiros no iogurte de modo a poder colocar uma fotografia arranjadinha no blog (quem não? :P), mas há sempre a hipótese de ser uma pessoa normal e esfarelar os cereais antes para tornar a tarefa mais fácil. 

Até conciliar as duas coisas, se se estiverem a sentir inspirados...
Apesar de ser óbvia, esta mistura é agradável, uma forma bastante prática de os utilizar e resulta bastante bem, pelo que não podia deixar de marcar presença. O quê, querem outra forma óbvia e prática de os utilizar? Oh, you (ler isto com a voz do Hugh Laurie). Satisfaço-vos a vontade.

Weetabix com banana, avelãs e leite de amêndoa
Podem comer a mistura fria (é até bastante agradável; se não quiserem que fique demasiado mole é uma boa opção) ou quente. Se preferirem este último modo, aqueçam simplesmente os blocos inteiros com leite até metade da altura. Os cereais ficam molinhos com uma capa crocante, é bastante agradável. Porquê necessariamente inteiros? Porque se os colocarem não inteiros estarão a saltar a fronteira entre esta sugestão e a próxima. Acho que depois desta suave transição estão preparados para a conhecer:

Papas de weetabix de café com avelãs e chocolate negro
Que não conheciam de todo devido a uma publicação que fiz recentemente. Nope. Surpresa. 

Agora que reparo nas últimas 4 fotos, acho que tenho algum problema por resolver com weetabix e avelãs... :P

Por último, uma opção mais elaborada:

Panquecas de weetabix (neste caso com iogurte e mirtilos)
Mais panquecas de weetabix, estas com nozes pecan e mel
Estas panquecas são muito boas: altinhas, húmidas e saborosas. Tenho recebido muitas mensagens de gente que experimentou e ficou fã, o que é sempre um bom indicador :)

Se nenhuma destas ideias vos agradar (vamos por momentos assumir que é possível), podem sempre tirar uma fotografia a alguns dos blocos e perder tempo a infantilmente decorá-los no computador de modo a que estes pareçam minions, para fazer valer a compra.

Último recurso
(Não me digam que sou a única a aperceber-me das semelhanças...)

De ressalvar que os cereais neste post são os que têm listas de ingredientes mais 'limpas' - quando me refiro a eles como saudáveis, quero dizer que são consensualmente melhores do que os carregados de açúcar, a questão de o cereal em si ser ou não benéfico é discutível.

À parte destes, há sempre alguns cereais específicos sem glúten ou açúcar nos supermercados que podem ser bonzinhos, mas tentei mencionar apenas os mais acessíveis. 

Caso tenham ficado curiosos quanto  ao motivo pelo qual não inclui aveia nesta categoria, trato de esclarecer: devido à sua fama e particularidades, ela vai ter direito a um post em separado. Fica um teaser:

Num mundo onde dominam os 'Chocapic'...
Até lá tentem refrear todo esse entusiasmo... ;)

sexta-feira, 10 de junho de 2016

Papas de Weetabix (Saudável, Sem Gordura/Açúcar Adicionado, Sem Lactose, Vegan)


Antes de provar papas de aveia pela primeira vez achava o conceito um pouco estranho. A palavra 'papas', como é óbvio, não ajudava, e na altura nem sequer estava muito familiarizada com a aveia de todo. Quando decidi experimentar, procurei receitas na internet e escolhi uma à sorte - usei casca de limão e um pau de canela, ingredientes que são recorrentes na maior parte das versões mas que entretanto deixei de usar.
A partir daí deu-se o encantamento clássico de quem prova uma receita tão boa, que me fez preparar papas de aveia praticamente todos os dias ao pequeno-almoço. Desenvolvi um conjunto considerável de receitas, e eventualmente cheguei ao pensamento que obrigatoriamente se seguia: 'se resulta com aveia, deve resultar com outros cereais... Certo?'.
A maior parte das experiências revelaram uma resposta positiva, e com o entusiasmo comecei a variar imenso o estilo de papas. Experimentei papas de centeio, de espelta e de trigo integral, apreciando bastante todas... Até às de trigo sarraceno.
Talvez tenha usado água a menos para o cereal, usado flocos demasiado finos ou deixado engrossar exageradamente. De qualquer forma, as causas de tão horrível resultado não me preocuparam - as papas ficaram tão más que fiquei traumatizada, e por aí ficaram os meus experimentos no reino das papas. Até chegarem estas.
O passo óbvio a seguir a cobrir os cereais da marca com leite e levá-los ao microondas era fazer papas, não podia negá-lo. Este facto inquestionável aliou-se ao esquecimento parcial do incidente com trigo sarraceno para me fazer experimentar estas papas: e valeu totalmente a pena.






Papas de Weetabix (Saudável, Sem Gordura/Açúcar Adicionado, Sem Lactose, Vegan)
Para 1 pessoa

Ingredientes:
[  2 barrinhas de Weetabix (sem sabor)
[  200ml de leite (pode ser vegetal, para a versão vegan, ou sem lactose, para a versão sem lactose)*

Preparação:
| Desfazer grosseiramente os cereais para uma malga e cobrir com o leite.
| Levar a mistura ao microondas durante 2 a 3 minutos, até ficar com uma cor acastanhada/dourada.

*Recomendo usar uma mistura de leite e café, as papas ficam mesmo boas!



Esta receita é tão básica que mal se encaixa na designação, mas garanto-vos: quando têm de madrugar e qualquer minuto a mais a dormir é bem-vindo umas papas reconfortantes e rápidas são o pequeno-almoço ideal. 
Gosto muito e cada vez mais de Weetabix: é versátil, é delicioso e o rótulo não despoleta um AVC (ao contrário do de grande parte dos seus concorrentes diretos). Estas papas têm a medida perfeita, e além de serem cremosas e aconchegantes são personalizáveis: cacau, coco, café, especiarias, fruta ou frutos secos são apenas exemplos de entre a imensidade de experimentações possíveis em que o denominador comum é o quão boas são. 
(E são bastaaante boas.)
_________________________________________________________________________
Informação Nutricional (por 1 dose)
Energia: 200kcal
Proteínas: 11.1g
Hidratos de Carbono: 26.4g 
-       Dos quais açúcares: 2.9g
Lípidos: 4.4g 
-          Dos quais hidrogenados: 0.0g
-     Dos quais saturados: 0.8g
Fibra:  5.0g
Sódio: 130mg

     A informação nutricional engloba uma porção (neste caso, corresponde a cerca de 200g, 1 dose ou a totalidade da receita). Foi calculada com leite de soja não adoçado da marca Alpro. Os valores estão sujeitos a erro humano e a alguma imprecisão, mas deverão estar próximos do valor real. 
______________________________________________________________________

terça-feira, 7 de junho de 2016

Tarte de Nata

Há uns tempos andava viciada em fazer muffins - depois de finalmente encontrar formas de papel a que não se colavam e um tabuleiro em que estas coubessem, aproveitava a maré de bons resultados para colocar um tabuleiro deles no forno todas as semanas, utilizando quase sempre uma receita  com sabores diferentes: desde laranja até coco, passando por chocolate e por queijo... Quase esgotei as opções possíveis. Adorava olhar para o forno no fim do tempo de cozedura e vê-los altinhos e dourados, exceto quando transbordavam (porque limpar o forno depois de um incidente com muffins é quase tão mau como limpar o microondas depois de um incidente com papas de aveia, e acho que posso dizer com confiança que esse é o pior pesadelo de todos nós). Depois de semanas disto, num dia em que estava a preparar um novo tabuleiro deles, a minha avó (uma das minhas cobaias) veio perguntar-me se eram os mesmos de sempre.
Quando eu fazia fornadas diferentes todas as semanas.
(Espero que concordem que tal ofensa é logo motivo para desalento culinário...)
Quando a moda dos muffins passou, encontrei algumas das melhores receitas de sobremesa de sempre: o crème brûlée, os crepes, a tarte de flan... Enfim, foi um período próspero para a minha lista go-to de receitas não saudáveis.
Pensei então ingenuamente que, com toda esta variedade de sabores e texturas, muitas das quais até inspiradas na finória culinária francesa, o nível do palato por estes lados haveria de ter evoluído. Era esta noção que tinha da realidade quando fiz esta tarte; uma tarte de nata, coisa que nunca havia feito. Foi depois de esta ser provada que me apercebi da desapontante realidade - toda a gente pensava que era a tarte de flan. 
Eu sei, o aspeto é parecido, mas em termos de sabor (e preparação) as tartes não têm absolutamente nada a ver (ok, talvez um pouquinho) uma com a outra. Acho que mais vale desistir de esperar sentidos apurados para a culinária. Se apanhar umas receitas deliciosas como estas pelo caminho  as novas experiências vão valendo a pena, de qualquer modo...






Tarte de Nata
Adaptado daqui

Ingredientes:
[  1 embalagem de massa folhada ou quebrada redonda
[  300g de açúcar
[  80g de amido de milho
[  6 gemas
[  500ml de leite magro
[  200ml de água
[  2 paus de canela
[  Casca de 1/2 limão

Preparação:
| Forrar com a massa (folhada ou quebrada) uma forma redonda, sem buraco, ou tarteira. Picar a base com um garfo.
| Juntar o açúcar e o amido de milho num tacho e misturar muito bem. Adicionar as gemas e um pouco de leite e mexer novamente, juntando depois o resto do leite pouco a pouco, sempre a misturar bem para que o preparado fique homogéneo. Por fim, adicionar a água e voltar a mexer.
| Colocar também no tacho os paus de canela e a casca de limão e levá-lo a lume baixo. Mexendo constantemente, esperar que o preparado engrosse, resultando num creme suave.
| Retirar da mistura os paus de canela e a casca de limão e transferi-la para a forma com massa folhada.
| Alisar a superfície e levar ao forno pré-aquecido a 180 graus durante cerca de 30 minutos, ou até que fique com o padrão tostado clássico das tartes de nata.
| Retirar do forno e deixar arrefecer. Pode ser servida à temperatura ambiente ou, se preferirem, fria, bastando para isso colocá-la no frigorífico.



Como disse, nunca tinha experimentado nenhuma receita de tarte de nata. No outro dia lembrei-me de fazer e fui ver se havia alguma receita no blog Recanto com Tempero, que nunca desilude com as suas sugestões - então encontrei esta, que me convenceu de imediato. Foi a primeira que fiz, mas acabou aqui a procura por tartes de nata, esta é perfeita! Ficou muito brilhante, com um cheiro agradável às clássicas natas e um sabor muito parecido ao destas também. Não esperava que ficasse tão semelhante aos pastéis tradicionais, mas ficou! Experiência mais do que aprovada, para repetir. Acho que se vai tornar numa sobremesa recorrente por aqui :)

sexta-feira, 3 de junho de 2016

Tarte de Amêndoa Caramelizada (Saudável, Sem Glúten/Lactose, Sem Açúcar Adicionado)


Como já mencionei por aqui, eu e o mel temos as nossas desavenças. Para além do óbvio motivo que constitui a sua origem (eu sei que as abelhas são úteis e necessárias, mas não parecem tão úteis e necessárias quando se pavoneiam demasiado perto de nós), nunca fui particularmente fã do sabor.
Primeiro houve o clássico desgosto de uma criança que prova mel com expectativas altas. Era por aquilo que o Winnie de Pooh entrava em parafuso? Ainda tenho cicatrizes de tal revelação, para além dos problemas de confiança com ursos - nunca mais consegui aproximar-me de uma loja Natura.
(Estou a brincar, como é óbvio. Os ursos das lojas Natura são a melhor coisa de sempre, toda a gente sabe disso.)
Depois eu e o mel seguimos os nossos cursos distantes. Raramente o comprava ou provava, convencida de que não era fã. Eventualmente, como não sou apologista do uso de adoçantes artificiais, comecei a adotá-lo nas receitas de bolos saudáveis, prática que se tornou frequente. Dado o preço absurdo do famoso maple syrup, comecei também a usá-lo para decorar panquecas e crepes - e pouco a pouco comecei a habituar-me ao e até, surpresa, gostar do sabor. 
Quase por reflexo e hábito, sempre que comentava alguma publicação no facebook ou falava com alguém sobre mel (quê? É um tema interessante :P) dizia que não era a maior fã. Há pouco tempo, pensando bem, cheguei à pergunta que todos fazemos a nós próprios quando, em determinado ponto da vida, estamos prontos para responder: não seria eu fã de mel?
Caso restassem dúvidas, esta tarte surgiu e esbofeteou-mas da cara. Agora, eu, a pessoa que há um ano e meio iniciou uma publicação com a frase 'Eu não gosto nada de mel', estou pronta:
Sim, sou fã de mel.
(Mas continuo a não gostar de abelhas. Don't push it ;))




Se o Angus Young fosse uma fatia de tarte
Tarte de Amêndoa Caramelizada (Saudável, Sem Glúten/Lactose, Sem Açúcar Adicionado)

Ingredientes:
Para a base:
[  2 ovos
[  30g mel
[  100g iogurte (sem lactose para a versão sem lactose)
[  100g farinha de aveia (sem glúten para a versão sem glúten)
[  1 colher de chá de fermento

Para a cobertura:
[  130g mel
[  60g manteiga de amendoim (ou de outro fruto seco)
[  4 colheres de sopa de leite (pode ser magro, vegetal, sem lactose,...)
[  120g amêndoa palitada (ou laminada)

Preparação:
Para a base:
| Bater os ovos até ficarem com uma cor clara (demora 1 ou 2 minutos). Sem parar de bater, juntar o mel e posteriormente o iogurte.
| Envolvendo com uma espátula, adicionar a farinha de aveia e o fermento.
| Colocar numa forma antiaderente pequena e levar ao forno pré-aquecido a 180ºC durante cerca de 15 minutos (ou até estar cozida). Retirar a base do forno e aumentar a temperatura para 220ºC. Durante os últimos minutos em que a base está no forno, fazer a cobertura.

Para a cobertura
| Colocar o mel num tacho pequeno e levá-lo a lume médio. Deixar fervilhar ligeiramente durante dois minutos. 
| Retirar o tacho do fogão e adicionar a manteiga de amendoim, mexendo bem.
| Devolver ao lume durante mais 2 minutos. Retirar, adicionar o leite e mexer muito bem. Juntar as amêndoas, mexer até que a mistura fique homogénea e cobrir o bolo com ela. Levar novamente ao forno até tostar, cerca de 10 minutos.



Estava com medo que a cobertura ficasse mole ou dura demais, mas ficou mesmo perfeita! Com uma textura 'sticky' muito agradável, ligeiramente tostada e com o sabor fantástico das amêndoas. Achei esta versão bem melhor do que algumas não saudáveis que já provei! A base, além de ser muito simples de fazer, é também fofa e húmida, pelo que não podia combinar melhor com a outra camada. Esta receita ficou mais do que aprovada por toda a gente que a experimentou :)
Como é óbvio, apesar de ter ingredientes 'limpos', a tarte deve ser consumida como uma sobremesa, já que tem algum mel (logo açúcar). Este tipo de tartes tem necessariamente de ser doce, não seria tarte de amêndoa se fizesse um caramelo sem saber a tal. É, no entanto, muito saudável, uma alternativa mesmo boa à versão tradicional; não tem manteiga nem açúcar ou farinha refinados, mantendo o sabor e a textura. A sério, confiem em mim - precisam desta tarte nas vossas vidas :D
_________________________________________________________________________
Informação Nutricional (por 1 fatia)
Energia: 202kcal
Proteínas: 8.0g
Hidratos de Carbono: 25.3g
-       Dos quais açúcares: 13.4g
Lípidos: 8.2g 
-          Dos quais hidrogenados: 0.0g
-     Dos quais saturados: 1.2g
Fibra:  2.5g
Sódio: 41mg

     A informação nutricional engloba uma porção (neste caso, corresponde a cerca de 70g, 1 fatia ou 1/10 da receita). Os valores estão sujeitos a erro humano e a alguma imprecisão, mas deverão estar próximos do valor real. 
______________________________________________________________________

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...