sexta-feira, 15 de julho de 2016

Bolo de Alfarroba e Amêndoa (Saudável, Sem Glúten/Lactose, Sem Gordura/Açúcar Adicionados)


A primeira vez em que experimentei alfarroba coincidiu com uma das minhas primeiras tentativas de fazer muffins. Fiz uns muffins de alfarroba e morango (já que isto não estava explícito o suficiente ;)) que quase me fizeram desistir do reino dos muffins; felizmente não o fiz, e viria em breve a fazer as pazes com novas e deliciosas receitas. Com muita pena minha, a minha capacidade de perdoar não chegou para ambos, e a alfarroba foi o elemento renegado e esquecido no meu armário até eu me fartar de limpar farinha lançada para os outros recipientes por ocasionais espirros do pacote mal fechado. Até agora.
Esforçando-me no sentido de uma reconciliação, trouxe numa ida ao supermercado um pacote de farinha de alfarroba. A primeira experiência voltou a não ser das melhores: fiz uma broa de alfarroba e aveia, mas penso ter exagerado na primeira, o que teve como consequência um sabor demasiado forte. Desta vez, perdoando o ingrediente e não a forma, para variar, em vez de fazer uma broa de sabor diferente fiz uma nova experiência com farinha de alfarroba, um bolo com esta e farinha de amêndoa. Como podem adivinhar pelo post, este é o final feliz que procurava - na forma de um bolo delicioso. Não são os melhores? ;)





Bolo de Alfarroba e Amêndoa (Saudável, Sem Glúten/Lactose, Sem Gordura/Açúcar Adicionados)
Adaptado daqui

Ingredientes:
[  6 ovos
[  60g de mel
[  100g de farinha de amêndoa
[  50g de farinha de alfarroba

Preparação:
| Separar as gemas das claras e colocar ambas em recipientes grandes.
| Juntar o mel às gemas e bater a mistura com uma batedeira elétrica até que fique mais clara (cerca de 2 minutos).
| Adicionar às gemas com mel as farinhas (de amêndoa e de alfarroba) e envolver com uma espátula.
| À parte, bater as claras em castelo e, aos poucos, envolvê-las também na mistura anterior.
| Colocar o preparado numa tarteira ou forma antiaderente e levar ao forno pré-aquecido a 180 graus durante cerca de 25 minutos.



O bolo ficou com um sabor muito bom, com aquele travo caraterístico dos bolos de amêndoa e um toque ligeiro e 'achocolatado' a alfarroba (depois das minhas experiências anteriores não querem saber o quanto prezo o adjetivo 'ligeiro' :P). A textura ficou agradável, muito fofa e a combinar na perfeição com o sabor! Gostei tanto da experiência que fiquei entusiasmada com futuras experiências no campo da alfarroba. É todo um mundo por descobrir ;)
_________________________________________________________________________
Informação Nutricional (por 1 fatia)
Energia: 154kcal
Proteínas: 6.7g
Hidratos de Carbono: 12.8g
-       Dos quais açúcares: 8.2g
Lípidos: 10.2g 
-          Dos quais hidrogenados: 0.0g
-     Dos quais saturados: 1.4g
Fibra:  3.9g
Sódio: 39mg

     A informação nutricional engloba uma porção (neste caso, corresponde a cerca de 50g, 1 fatia ou 1/10 da receita). Os valores estão sujeitos a erro humano e a alguma imprecisão, mas deverão estar próximos do valor real. 
______________________________________________________________________

quarta-feira, 13 de julho de 2016

Produtos #7 - Marinheiras

Este post pode parecer óbvio, mas tendo eu sido uma pessoa inculta no que toca a marinheiras até há bem pouco tempo imagino que haja quem desconheça estas tostas/bolachas. Ou então era só eu. Em todo o caso, nada como um post de prevenção. 

As marinheiras são umas bolachas da marca Cem Porcento bastante interessantes nutricionalmente. Ao contrário da maior parte dos produtos do género, não têm açúcar nem gorduras 'más' adicionados (pelo que são mais tostas do que bolachas, não sendo doces). Aqui está, a título de exemplo, a lista de ingredientes das integrais:

Farinha de trigo integral (86%), azeite extra virgem (10%), sal marinho, extracto de malte, emulsionante: lecitina de soja, levedura natural, farinha de malte e vitamina E.

Como podem ver, é até bem curtinha e sem muitos aditivos. Considero as integrais as melhores, pois os outros 3 tipos (normais, de chia e sem sal) têm farinha branca. Continuam a ser melhores que a maior parte das tostas, mas as integrais serão um melhor partido. 

O melhor partido, num aparente processo de fusão com a minha mesa.
Comercializam-se na maior parte das grandes superfícies - excetuando, claro, o Lidl, que é especial. Pelo que sei, são mais baratas no Intermarché e Jumbo, rondando o preço normalmente os 2 euros por pacote (no Continente é mais puxado, acho que 2,49). No E. Leclerc, que é onde costumo comprar, as variedades diferentes diferem no preço, sendo as sem sal as mais baratas (2,19) e as com chia as mais caras (2,49). 

Compensam a diferença de preço com um belo de um rosa choque ;)
As de chia, pelo que vejo por aí, são as preferidas da maior parte das pessoas, mas eu sou sincera - não noto grande diferença de sabor para sabor, acho-os todos muito parecidos. As bolachas são sempre crocantes e têm um sabor muito agradável, quase cake-y.

Convém relembrar que, mesmo sendo elas uma boa fonte de hidratos de carbono para aqueles que não preferem excluir o trigo da alimentação, um lanche feito só com marinheiras não é propriamente saudável completo - no caso da versão integral, cada bolacha tem por volta de 34kcal, 1g de proteína, 5g de hidratos de carbono e 1g de gordura. Daí se vê que elas não fornecem a variedade de macronutrientes necessária e que a sua ingestão deve ser acompanhada da de outros alimentos (e, claro, moderada). A informação nutricional anda próxima destes valores em todas as versões.

De azeite, ou 'normais'
Estas, por exemplo, não têm mais gordura do que as integrais, como poderia ser de esperar. Aliás, todas as marinheiras têm azeite, mas como estas não têm nenhum elemento que as caraterize eu chamo-lhes 'marinheiras de azeite' :P Talvez devido a esta associação ser geral, já vi algumas pessoas a mencionar que a versão de azeite é oleosa, mas pessoalmente não achei que fosse :) São até muito parecidas às seguintes:

Sem sal, a comprovar que as minhas marinheiras estão sempre posicionadas da mesma forma
As irmãs-marinheiras mais semelhantes de todas. Pensei que as sem sal pudessem ser desagradáveis e ter pouco sabor, mas isto não se verificou - não acho que sejam de todo piores do que as outras.

Tostas deste género são muito versáteis e todos sabemos como inseri-las numa lanche, mas este não seria um post meu se não terminasse com sugestões óbvias.

Óbvias e cobertas com manteiga de amendoim. A minha imagem de marca ;)
Aqui com presunto, que por alguma razão parece cor-de-rosa na foto
Novamente com manteiga de amendoim, porque manteiga de amendoim nunca é de mais...
Caso se estejam a perguntar como fiz aquele pão bem-parecido à esquerda, vejam o post com a receita aqui.

Espero que se não conheciam as bolachas tenham ficado esclarecidos - e espero que se já conheciam as bolachas tenham passado a saber que é obrigatório barrá-las com manteiga de amendoim. Uma lição que se aplica a praticamente tudo. ;)

segunda-feira, 11 de julho de 2016

Quindins

Já mencionei que tenho por natureza alguma tendência para preferir receitas complicadas. Associo a estas um melhor resultado, o que às vezes é verdade, mas não sempre. 
Quando comecei a tentar fazer versões saudáveis de receitas tinha medo de não seguir a receita à risca fosse ter um mau resultado, pelo que fazia substituições estúpidas: achava que era boa ideia usar uma dúzia de farinhas integrais diferentes em quantidades ridiculamente pequenas em vez da branca, uma colher de sopa de azeite em vez de óleo, clara e totalmente indispensável... Com o tempo comecei a perceber que isto não servia para nada, pelo que agora a maior parte dos bolos saudáveis que faço são muito simples (e deliciosos, nunca é demais reforçar).
No entanto a tendência persiste em termos de doces, e se nos bolos de camadas já desisti do buttercream e passei a fazer os infalíveis bolo com fruta e chantilly e bolo alemão ainda é raro fazer um bolo simples de laranja - e quando faço um complico na mesma, com ideias maravilhosas como 'vou totalmente fazer o melhor bolo de laranja de sempre! *Peneirar as gemas* *usar parte farinha maizena* *bater as claras à parte* *mexer tudo com uma lentidão e cuidado exagerados* *acabar com um bolo exatamente igual a todos os outros e mesmo assim ficar insistentemente a observar as caras das pessoas enquanto comem tentando descobrir uma expressão de encanto desmedido*'. 
Poder-se-ia dizer que sou um caso perdido; tenho, no entanto, esperança na minha evolução, em grande parte fundada nestes quindins. Este é um doce que nunca provei até fazer pela primeira vez, utilizando uma receita que exigia o preparo de uma calda de açúcar para hidratar o coco. O sabor convenceu-me, mas o aspeto ficou um pouco duvidoso - quindim que é quindim parece ter luz própria, e os meus ficaram demasiado baços e imperfeitos para o trabalho que deram. Quando voltei a fazer esta sobremesa a receita que utilizei foi a que deixo abaixo: extremamente simples, com apenas quatro ingredientes que misturei de uma só vez. O resultado, dando-me uma lição sobre a simplicidade e o seu potencial, ficou perfeito.
(Ainda vos hei-de mostrar os patinhos feios da primeira tentativa!)






Quindins
Adaptado daqui 
Para 12 quindins

Ingredientes:
[  10 gemas
[  200g de açúcar
[  150ml de leite de coco
[  100g de coco ralado 

Preparação:
| Misturar bem as gemas com o açúcar, o leite de coco e o coco ralado.
| Distribuir o preparado por forminhas untadas e polvilhadas com açúcar (podem usar várias pequenas ou uma grande).
| Levar ao forno pré-aquecido a 180 graus em banho maria (costumo usar um tabuleiro de muffins com água: coloco as formas de metal com a massa nas cavidades) durante cerca de 45 minutos. Se começarem a queimar podem cobrir com uma folha de papel de alumínio.



Além de terem ficado muito brilhantes (o que é sempre agradável), estes bolinhos foram muito apreciados. A textura é deliciosa, tendo eles uma parte 'mais pudim' e outra fofinha; para além do mais, envolvendo coco já se sabe o fascínio que suscitam - se são amantes do ingrediente, têm aqui uma mina de ouro. A cor e o formato são amorosos, mas depois da primeira trinca não vão ficar com pena de os 'destruir'! São ainda um pouco menos doces que os tradicionais, não sendo portanto tão enjoativos - conjugando este facto com a consistência perfeita que se vê, saber-se-ia de antemão que iriam desaparecer uns atrás dos outros, o que a experiência corroborou. Uma receita a repetir, portanto :)

sexta-feira, 8 de julho de 2016

Produtos #6 - (da) Myprotein (Loja Online)

Acho que a Myprotein será uma das lojas de suplementos online mais populares, se não a mais popular. Foi a ela que recorri quando os pacotes de uns míseros 100g de goma xantana do Celeiro começaram a revelar-se insuficientes para suprir as necessidades durante o auge da minha paixão por fluff de claras, e, como imagino que saibam, esse é um laço insuperável.

Nota: Tentei fazer uma review objetiva; não tenho uma parceria com a marca, e cada loja online tem os seus pontos fortes e fracos.

Só para que tenham a oportunidade, uma vez na vida, de contemplar 1kg de goma xantana... ;)
Mesmo assim, porque pode haver quem não conheça a loja:

Tipo de Produtos

Enquanto loja de suplementação online, a Myprotein é muito basicamente isso mesmo. Especial destaque para as linhas de roupa, que é bastante desenvolvida e tem constantes promoções. Também é de notar que, ao contrário da Prozis, por exemplo, não vende produtos de outras marcas, apenas de marca própria (que tem uma enorme variedade).

Tem imensos produtos do género de barrinhas, muffins, pudins, bolachas, chocolates, xaropes e refeições - tudo proteico e/ou mais saudável -, mas, pessoalmente, acho que neste site em particular o destaque vai para produtos mais simples e elementares. Refiro-me a, por exemplo, whey, manteiga de frutos secos (há de amendoim, amêndoa e caju - cliquem 'page up' para ver o óbvio elemento em falta que precisa urgentemente de ser colocado à venda) e óleo de coco. Não quero com isto dizer que os restantes produtos não sejam de qualidade, apenas que tendem a ser caros de forma insustentável para um uso regular (embora sejam também, por norma, adoráveis e muito giros - apetece provar tudo!). Já no caso destes produtos mais básicos, a marca tem uma relação de qualidade/preço particularmente boa, encontram promoções em whey que vos permitem comprá-la a preços muito acessíveis.

Para contrariar, um brownie. Esse fora-de-lei.
Afinal de contas, esta dose é individual - é totalmente justificável adicioná-la à encomenda para experimentar. ;)

Agora sim: óleo de coco e manteigas de caju e amêndoas. Em pirâmide, para compensar o desvio do brownie.
Modos de Pagamento

Os métodos de pagamento possíveis são Visa, Visa Electron, Adyen, Paypal, SEPA, Maestro, Mastercard, American Express e Multibanco. Eu opto sempre por fazer o pagamento por transferência bancária (ainda que atrase um pouco a expedição devido ao tempo que demora a ser confimada), mas é uma questão de preferência pessoal. 

Portes, Opções e Prazos de Envio

O valor dos custos de envio dependem da encomenda. Assim, para encomendas de valor:
- Inferior a 25€: os portes têm o custo de 3,99€;
- Entre 25€ e 54,99€: os portes têm o custo de 1,85€;
- Superior a 54,99€: os portes são grátis.

São de custo um pouco elevado, por comparação a concorrentes nacionais, uma vez que o armazém principal não está localizado em Portugal. Os valores baixaram há pouco tempo, apesar disso, e creio que sejam razoáveis e possam, frequentemente, compensar. Em todas as três opções a entrega chega usualmente 3 a 5 dias úteis após a confirmação do pagamento, mas há uma outra opção, mais dispendiosa (14,99€), em que a encomenda chega dentro de 2 dias úteis.
Estes preços são válidos para Portugal (acho que inclui as ilhas), para outros países podem conferir os preços aqui.

Pela minha experiência, este não se trata do serviço de entregas mais rápido, uma vez que, conforme dito, os produtos vêm do estrangeiro. No entanto, nunca tive problemas com a chegada de encomendas: todas elas estavam em ordem, e o prazo de entrega variou entre 1 e 3 semanas (devido, no caso do período máximo, a um atraso excepcional). Tenho visto comentários de desagrado perante uma mudança recente de transportadora para uma supostamente menos eficiente, mas não tenho experiência com a nova, pelo que não posso dar a minha opinião.

Descontos

A Myprotein tem sempre vários códigos promocionais em vigor, variando no género: há descontos mistério, cuja percentagem apenas é conhecida quando são aplicados à encomenda, descontos que são tantos maiores quanto maior for o valor da encomenda, descontos aplicáveis a certos produtos ou a toda a encomenda se certos produtos estiverem incluídos, códigos que dão direito a algum brinde... Basta ver a página inicial do site e escolher os códigos de que se pode tirar melhor partido. Podem acompanhá-los com tempo, de forma a fazerem uma opção vantajosa: campanhas são o que não falta, muitas de aproveitar. Depois é só inseri-los na encomenda e carregar em 'inserir código'. Em alternativa, há códigos permanentes associados a algumas bloggers, como é o caso da Joana Banana (código: JBANANA10) e 'da' Healthy Fit Way (código: FITWAY10), que podem usar para obter 10% de desconto.

Por fim, e porque sei o quanto ansiavam por isso...

Mais manteigas de frutos secos e a minha ótima capacidade de centrar fotografias
Nesta última foto podem reparar que desenvolvi um pequeno vício por manteiga de caju... :P

As saquinhas brancas são amostras de whey, que podem encomendar para experimentar determinados sabores de modo a saber se vale a pena investir num pacote maior (versão disfórica: para se certificarem de que não irão vomitá-los após uma semana). Ou só mesmo para experimentar, claro. ;)

Como já mencionei por aqui, a Myprotein enviou-me há uns tempos dois produtos para experimentar, mais precisamente sementes de psilio integrais e whey com sabor a creme de morango.

Os tais
Já publiquei várias receitas utilizando-os, tanto aqui como no facebook, assim como já os mostrei algumas vezes, dando a minha opinião, nas redes sociais. No entanto, achei que, agora que reuni mais ideias, mereceriam o seu post próprio, de forma a compilar todas as informações de um modo mais permanente e facilmente acessível. Assim sendo, e como são ambos bastante versáteis, vou fazer posts de opinião sobre eles em breve (e sobre outros produtos da marca que também já experimentei). Eu sei, eu sei, parece que me ando a divertir a fazer e prometer posts sobre produtos, mas não se preocupem, pode ser que passe rápido. ;)

terça-feira, 5 de julho de 2016

'Pataniscas' de Quinoa (Saudável, Vegetariano, Sem Glúten, Sem Lactose, Sem Gordura Adicionada)


Confesso que não sou a pessoa mais patriota de sempre. Tenho alguma dificuldade em exaltar particularmente valores de um país por ter nascido nele. Assim sendo, não é de admirar que não seja a pessoa que mais vibra com o Europeu (embora de certa forma seja sempre contagiante).
Na verdade, e porque o meu não-patriotismo é mais passivo do que outra coisa, é possível que isso se deva menos a ele e mais ao facto de não ser fã de futebol, que por muito estranho que pareça pode provocar algum desencanto em relação a competições da modalidade (neste caso epistémica, #brincandocomahomonímia :P). Julguem à vontade, mas para mim é um pouco chato assistir a um jogo de mais de duas horas uma hora e meia (exceto se começar a escurecer, porque nesse caso as sombras dos jogadores ficam com um adorável aspeto de libelinhas e isso muda tudo).
Peço desculpa pela falta de apoio, mas nas minhas janelas não se vêem bandeiras, e isto nem sequer se deve a não ter nenhuma (de todo ;)). Para compensar a ultrajante falta de quinas por estes lados, a receita de hoje é de pataniscas de quinoa - pode ser que com o tempo deixe cair a vogal em excesso e me torne numa verdadeira patriota.




'Pataniscas' de Quinoa (Saudável, Vegetariano, Sem Glúten, Sem Lactose, Sem Gordura Adicionada)
Adaptado daqui 
Para 12 pataniscas

Ingredientes:
[  180g de quinoa cozida* (cerca de 60g em cru) (sem glúten para a versão sem glúten)
[  2 ovos
[  40g de farinha de aveia (sem glúten para a versão sem glúten)
[  1 colher de sopa de courgette descascada e ralada
[  1 colher de sopa de cenoura descascada e ralada
[  1 colher de sopa de cebola finamente picada
[  1 dente de alho ralado
[  Salsa (a gosto)
[  Sal (a gosto)

Preparação:
| Colocar todos os ingredientes (quinoa cozida, ovos, aveia, courgette, cenoura, cebola, alho, salsa e sal) num recipiente e misturar bem.
| Deixar a mistura repousar uns 5 minutos para que fique mais consistente.
| Colocar uma frigideira antiaderente ou untada com azeite no fogão, em lume baixo. Assim que estiver quente, colocar nela pequenas porções da massa (é normal que a mistura não seja muito firme,  mas basta utilizar as mãos molhadas ou uma colher de sopa para que este passo seja fácil).
| Quando as pataniscas estiverem tostadas do lado de baixo, virar com uma espátula e deixar que cozinhem do outro.
| Servir quentes ou frias.

*Costumo demolhá-la ou lavá-la bem antes de cozer para retirar o sabor amargo com que fica sem estes procedimentos. Depois de o fazer, basta cozer em água com sal (cerca de 2 medidas de água para 1 de quinoa) durante cerca de 20 minutos.

A alimentar uma patanisca-pacman esfomeada


Não sendo a maior utilizadora deste grão, tenho ficado agradavelmente surpreendida com a panóplia de opções que possibilita. Estas pataniscas, cuja ideia propulsionadora foi na realidade fazer hambúrgueres, são uma excelente demonstração disso. Com um sabor delicioso e pouco intenso, além de um aroma óptimo dado pelo alho, fizeram um jantar perfeito! São ainda de procedimento muito simples, e podem ser congeladas para refeições ainda mais rápidas. 
_________________________________________________________________________
Informação Nutricional (por 1 patanisca)
Energia: 43kcal
Proteínas: 2.1g
Hidratos de Carbono: 5.8g
-       Dos quais açúcares: 0g
Lípidos: 1.2g 
-          Dos quais hidrogenados: 0.0g
-     Dos quais saturados: 0.0g
Fibra:  0.7g
Sódio: 23mg

     A informação nutricional engloba uma porção (neste caso, corresponde a cerca de 20g, 1 patanisca pequena ou 1/12 da receita). Os valores estão sujeitos a erro humano e a alguma imprecisão, mas deverão estar próximos do valor real. 
______________________________________________________________________

sexta-feira, 1 de julho de 2016

Produtos #5 - Barras e Wafers Proteicos da Diese

Há pouco tempo estava a fazer compras no E. Leclerc e, vendo os produtos da Diese em promoção, resolvi trazer alguns para experimentar. Escolhi as barras de chocolate/frutos secos e baunilha e os wafers de chocolate, chocolate/frutos secos e baunilha. Na verdade, apesar de passar por eles com frequência no supermercado, acho que demorei a dar-lhes uma oportunidade devido à sua embalagem branca e azul que a mente rapidamente associa a remédio. 

O departamento de marketing de *alguma* empresa anda a falhar...
O rio adorável que banha os wafers nas embalagens destes até compensa o resto - nas barras, no entanto, a história passa-se de forma diferente. Até o paracetamol tem uma embalagem mais apelativa - mas chega de falar do meu ódio pelas embalagens, passemos ao que realmente interessa.

Onde Comprar, Preço, Ingredientes e Informação Nutricional

Como já disse, comprei estas barrinhas no E. Leclerc, mas há também à venda no Continente e imagino que noutras grandes superfícies comerciais o mesmo se verifique. Sem promoção, as wafers custam por volta de 2 euros e as barras por volta de 3.

Todos os produtos que comprei e mostrei acima têm um elevado teor em proteína; a marca também tem umas barras energéticas, mas nunca provei. Os ingredientes são bastantes, deixo a transcrição da lista das de baunilha: 

Mistura de proteína do soro do leite e de proteína de soja (22,5%), xarope de glucose, cobertura branca (18%) (açúcar, óleo de palma, soro de leite em pó, leite em pó magro, emulgente: lecitina de soja, aroma:baunilha), oligofrutose, passas (7%), óleo de palma, coco (3,5%), flocos de soja, humectante: glicerol, emulgente: lecitina de soja, mono e diglicéridos de ácidos gordos, regulador de acidez: ácido láctico, extrato de malte de cevada, sal, vitaminas (B1, B2, B6, B12, niacina, ácido pantoténico, ácido fólico, E, C), minerais (carbonato de cálcio, óxido de magnésio), aromas: (coco e baunilha), conservante: ácido sórbico.

Como podem ver, em termos de ingredientes as barras não são propriamente saudáveis, mas isto verifica-se com a maior parte das barras proteicas que andam por aí. Pessoalmente não recomendo o consumo regular deste género de produtos, eu própria só compro para experimentar ocasionalmente. As listas de ingredientes dos outros sabores andam dentro do mesmo, por isso não vou colocá-las aqui.

A mesma barra (de baunilha) tem 242kcal, 9.1g de gordura, 15g de proteína, 22.5g de hidratos de carbono e 14g de açúcar. Novamente, não é uma informação nutricional propriamente brilhante, é até pobrezinha dentro das barras proteicas. Os wafers são algo melhores, com um pouco mais proteína e gordura e menos hidratos de carbono (menos açúcar também). 

Para além dos sabores que escolhi, há barras de chocolate e de morango, mas acho que os sabores de wafers disponíveis são só estes. 

Já que estamos a falar das barrinhas, no outro dia estava a passear no site da Prozis (informação sobre a loja aqui) para fazer uma encomenda e deparei-me com isto:

?!

São umas barrinhas muito parecidas a estas da Diese de que tenho falado, tanto na embalagem como em termos nutricionais, mas aparecem associadas à marca 'max sport'. Não me perguntem porquê, mas se quiserem experimentá-las aproveitem, porque no site são bem mais baratas - as barras ficam a 1.49 euros e as wafers a 1.29, havendo também a opção de comprar caixas com várias, que ficam mais em conta. ;)

Sabor e Textura

Barra de baunilha
Já provei barras proteicas suficientes para saber que nem todas são grande coisa, mas mesmo assim estas conseguiram surpreender-me de tão más. São rígidas mas não crocantes, tanto que depois de comer meia barra me doía o maxilar (e acreditem que não sou uma fraca de maxilares, adoro torrão ;)). Pelo meio tem umas passas que não ajudam em nada, pelo contrário. Acrescentam uma textura mole no meio, sendo o resultado mesmo estranho. 

'Só a de baunilha é que é má, certo? A outra é de chocolate e frutos secos, tem de ser decente, não?' - perguntam vocês. 

Pois... Não. (Para compensar, as sobremesas da Alpro são maravilhosas)
Lamento, mas as barras da Diese não valem de todo a pena o preço. Não as recomendo a ninguém. A de chocolate é ligeiramente mais tragável, mas tem a mesma textura estranha e um sabor meio disfarçado a chocolate. 

Será que é neste tom depreciativo que terminará a review, que nada pode salvar os produtos da Diese de um lugar permanente no escuro canto de desprezo do meu coração? *Suspense*

E eis que chegam...

Os wafers-salvadores-da-pátria!
Não num cavalo branco, antes numa embalagem branca e feia. Depois da desilusão das barras, os wafers foram uma boa surpresa. São leves, com uma textura crocante caraterística deste tipo de bolachas e na minha opinião até melhores do que as versões tradicionais do produto.

Uma particularidade interessante: estes wafers têm um cheiro mesmo muito forte. E com isto não quero dizer que cheiram mal ou são desagradáveis, quero dizer que se estiverem numa sala grande e abrirem a embalagem de um a sala inteira vai ficar com um aroma a baunilha. Não é nada de especial ou desagradável, até porque cheiram bem, mas achei isto engraçado de uma forma caricata :P 

Versão chocolate
Embora tenha preferido a versão de baunilha, também achei esta muito boa. Tem mesma textura leve e crocante e um sabor clássico a chocolate - a barra-não-wafer podia definitivamente aprender alguma coisa com esta.

O de chocolate e avelãs
Também adorei este sabor, acho que está entre o de baunilha e o de chocolate no meu ranking pessoal. O sabor a avelã não é particularmente forte, mas é agradável :)

Caso não tenham tido paciência para ler o post inteiro, fiquem com esta ideia que vos pode ser muito útil no futuro: no que à Diese diz respeito, wafers sim, barras não. Não precisam de agradecer. ;)
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...