Avançar para o conteúdo principal

Rabanadas Poveiras

Este Natal fiquei encarregada de fazer as tradicionais rabanadas, pelo que no início da semana fui ao Mercadona com a ideia de comprar o cacete para rabanadas deles (que acho particularmente bom). Cheguei ao Mercadona... E o cenário era de razia total - cacete para rabanadas nem vê-lo.
Visto que o único pão que abundava era o biju, decidi-me a fazer as rabanadas à moda da Póvoa de Varzim. Andava no vai-não-vai com elas: por um lado queria experimentar, por outro lado tinha medo que corresse mal (estragar as rabanadas no Natal deve dar direito a azar eterno :P). No final, foram os stocks do Mercadona a forçar-me a mão.
Se muitas vezes agradeci ao Mercadona por ter produtos excelentes, desta vez agradeço-lhes por não os ter. Bendito seja quem levou o último cacete, porque estas rabanadas com biju são de longe as melhores que já comi :D




Rabanadas poveiras
Adaptado daqui e daqui

Ingredientes:
[  750ml de leite meio-gordo
[  75g de açucar (+ o da cobertura)
[  1 paus de canela
[  1 pedaço de casca de limão
[  Canela em pó (a gosto)
[  10 bijous com 4 dias (guardei-os num Tupperware)
[  2 ovos
[  6 gemas
[  1 colher de sopa de vinho do Porto
[  Óleo (para fritar)

Preparação:
| Colocar num tacho o leite, os 75g de açúcar, o pau de canela e a casca de limão. Levar a lume médio até fervilhar. Descartar os paus de canela e os pedaços de casca de limão e deixar arrefecer um pouco.
| Noutro recipiente, misturar algum açúcar com canela (para a cobertura).
| Retirar a côdea aos bijus ('descasquei-os' com uma faca de serra).
| Colocar os ovos e as gemas num recipiente e juntar o vinho do Porto seguido do leite (morno) em fio, batendo bem até obter uma mistura homogénea.
| Mergulhar os bijus no preparado e deixar que absorvam o líquido, garantindo que todos ficam bem ensopados. 
| Apertar os bijus ensopados de modo a retirar o excesso de líquido e formar bolinhas mais compactas.
| Colocar num tacho ou frigideira óleo suficiente para cobrir as bolas até pelo menos metade da altura.
| Levar ao fogão a lume médio até que o óleo fique quente (sem exageros - como estas rabanadas são maiores, precisam de mais tempo para fritar, e se o óleo estiver demasiado quente queimam). 
| Fritar as rabanadas, virando-as ocasionalmente para que fritem de forma homogénea (podem usar por exemplo uma escumadeira, uma pinça metálica, uma colher de pau,...).
| Quando as rabanadas estiverem douradas, transferi-las para um prato com papel de cozinha para retirar o excesso de gordura. De seguida, passá-las pelo recipiente do açúcar com canela de forma a que fiquem uniformemente cobertas.



Nem imaginam o sucesso que isto fez! Eu fiz *20* rabanadas bem grandes (deixei as quantidades para metade da receita por ser mais prático), e desapareceram num ápice :D
Além de adoráveis (modéstia à parte), são deliciosas. Menos 'ensopadas' que as tradicionais, visto serem mais gordinhas, mas nada secas! Têm uma textura fofa, macia e levemente enqueijada que até me lembrou das famosas tigeladas de Abrantes :D 

Comentários

  1. Que lindas que ficaram, eu sou da Póvoa, embora viva noutra zona do país, já comi várias vezes ( adoro) mas na verdade nunca as fiz ☺️ que aspeto delicioso que estas têm, muito obrigada pela partilha, brevemente vou tentar fazer, beijinho e bom ano ❤️

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que sorte ser da terra destas belas rabanadas e ter tido a oportunidade de as saborear várias vezes :D Eu só experimentei agora e preciso de recuperar o tempo perdido :P

      Vale a pena fazer em casa, até porque quentinhas ficam uma delícia :)

      Obrigada pelo comentário! Beijinhos e boas entradas :D

      Eliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Produtos #91 - Pudins Proteicos do Lidl (Baunilha/Chocolate)

Hoje o post é sobre a febre do momento: os pudins proteicos do Lidl :P Para quem não está a par, há algumas semanas começaram a aparecer nos supermercados portugueses da cadeia Lidl uns pudins proteicos muito parecidos aos da Ehrmann. Estão disponíveis em duas versões: baunilha e chocolate . Cada pudim ( 200g ) tem cerca de 150kcal e 20g de proteína e custa 0.99€ . Não têm açúcar adicionado , e são isentos de lactose e de glúten .  Por vezes recebo comentários a referir que o teor de açúcar não é nulo (4g/100g) , mas é importante referir que este açúcar é naturalmente presente . Os iogurtes naturais não adoçados têm uma quantidade de açúcar semelhante. Outro ponto importante a referir é que a proteína também vem do leite , que é uma fonte de qualidade (por ser completa, ao contrário por exemplo do colagénio ou glúten). Antes que fiquem excessivamente entusiasmados, devo dizer que encontrá-los não é tarefa fácil: a procura anda ao nível dos skyr na altura em que foram lançados (

Madalenas Sem Açúcar

Tenho a tradição de testar uma receita nova de cada vez que recebo ou compro uma nova forma. Por vezes as ideias são muitas e não é fácil escolher, mas quando a My Tup Love  me enviou esta forma não houve sequer um momento de indecisão: forma de madalenas pede madalenas :D  Juntei o útil e agradável, e usei na receita a recentemente lançada aveia de custard. O seu aroma docinho a lembrar bolos com limão não podia ser mais adequado para o efeito :)  Madalenas Sem Açúcar Para 6 madalenas Ingredientes : [  1 ovo [  50g de quark natural [  25ml de leite [  75g de farinha de aveia com sabor (usei a de custard da EU Nutrition , que tem um saborzinho a limão fantástico; podem encomendar com 15% de desconto usando o cupão euavela15 no site) [  1 colher de café de fermento Preparação : | Bater o ovo com o quark durante dois ou três minutos. | Baixar a velocidade para o mínimo e adicionar o leite, batendo apenas até este estar incorporado.  | Juntar a farinha e o fermento envolver com uma espát

Bolo de Spéculoos

  Com quase dois meses de atraso, venho deixar a receita do bolo que fiz para o meu aniversário. Mais pequeno que o habitual, tendo em conta a situação pandémica na altura (nos últimos dois anos não tive muita sorte com o timing do meu dia de anos). Para compensar, fi-lo em modo *overdose de spéculoos*: spéculoos  alegram qualquer situação :D O recheio foi improvisado à última da hora: tinha planeado fazê-lo com natas batidas e creme de spéculoos, mas aqueci o creme para ficar mais fluido e a temperatura fez com que as natas coalhassem. Fiquei sem o único pacote de natas que tinha, mas felizmente sou  exagerada  precavida e tinha meia dúzia de frascos do creme de barrar.  Acabei por desenrascar um recheio misturando-o com o pudim de caramelo da Ehrmann como base, o que de resto prova a minha tese de que há poucas coisas que não se resolvam com um pudim de caramelo da Ehrmann :P Foi tudo pelo melhor, porque ficou delicioso! Deixo a receita para que possam experimentar :)  Bolo de Spécul