Avançar para o conteúdo principal

Snickerdoodles


Como disse num post anterior, ando entusiasmada com novas receitas de bolachas. Estas foram as primeiras que fiz neste spree, e são em grande parte responsáveis por ele, uma vez que fizeram um grande sucesso :)
Nunca tinha feito antes, apenas provado uma vez uma bolacha deste género. Como fiquei fã decidi fazer em casa, e claro que a versão caseira não desiludiu!




Snickerdoodles
Adaptado daqui
Para 40 bolachas

Ingredientes:
[  375g de farinha
[  1 1/2 + 1 colheres de chá de canela (para a massa e para a cobertura, respetivamente)
[  1/4 de colher de chá de sal fino
[  2 colheres de chá de cremor tártaro*
[  1 colher de chá de bicarbonato de sódio
[  230g de manteiga gorda sem sal (à temperatura ambiente)
[  275g + 75g de açúcar (para a massa e para a cobertura, respetivamente)
[  1 ovo L (se o vosso ovo for demasiado pequeno considerem juntar 1 gema)
[  1 colher de chá de extrato de baunilha

Preparação:
| Misturar num recipiente médio a farinha, a colher de chá e meia de canela, o sal, o cremor tártaro e o bicarbonato.
| Com uma batedeira elétrica, bater a manteiga com os 275g de açúcar, até que a mistura fique cremosa e mais leve (cerca de 2 minutos).
| Batendo sempre, juntar o ovo e a baunilha.
| Reduzir a velocidade da batedeira e adicionar 1/3 da mistura da farinha. Após esta estar incorporada, juntar metade da restante, sem parar de bater; quando a massa estiver homogénea, acrescentar o resto. A massa fica bastante espessa; se necessário, acabem de envolver com uma espátula.
| À parte, num recipiente pequeno, colocar 70g de açúcar e a restante colher de chá de canela para a cobertura.
| Com a massa feita, formar bolinhas (do tamanho desejado; eu fiz 40 de tamanho médio), passá-las pela mistura de açúcar e canela e colocá-las num tabuleiro forrado com papel vegetal. Tenham em conta que não cabem todas num só tabuleiro, porque vão 'espalmar-se' ao cozer e se estiverem demasiado próximas colam-se umas às outras. Também não recomendo colocar 2 ou 3 tabuleiros de uma vez no forno, por interferir com o tempo e a temperatura de cozedura (bem como com a distribuição do calor). Eu fi-las em 3 fornadas  consecutivas.
| Levar ao forno pré-aquecido a 190 graus durante cerca de 10 minutos. As bolachas devem estar ainda altas e um pouco moles (quase mal cozidas), e ceder ao toque: ao arrefecer ficam mais baixinhas, e também mais consistentes.
| Deixar arrefecer durante pelo menos 10 minutos no tabuleiro onde foram ao forno (se tentarem movê-las antes vão desfazer-se).

*Sendo este um ingrediente menos comum, há quem o substitua por fermento em pó e um pouco de vinagre ou sumo de limão, para substituir o toque ligeiramente ácido que ele dá às bolachas. No entanto, atualmente não é difícil encontrá-lo, e recomendo que usem! É ele que dá aos snickerdoodles o seu gosto particular, e omitindo-o arriscam-se a ficar com umas sugar cookies genéricas - o que não é mau, mas não é o objetivo desta receita. Eu comprei no Continente, da marca Condi :)



Como disse, as bolachas fizeram sucesso, toda a gente gostou muito! Além disso, foram fáceis de fazer e não se colaram (eu costumo ser um desastre a fazer bolachas, porque encho demasiado o tabuleiro e depois acabo com um monte de bolachas siamesas) :P
Como se não bastasse, o próprio nome das bolachas é adorável, e o cheirinho e sabor são extremamente reconfortantes e natalícios. Não há como resistir-lhes ;)

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Produtos #91 - Pudins Proteicos do Lidl (Baunilha/Chocolate)

Hoje o post é sobre a febre do momento: os pudins proteicos do Lidl :P Para quem não está a par, há algumas semanas começaram a aparecer nos supermercados portugueses da cadeia Lidl uns pudins proteicos muito parecidos aos da Ehrmann. Estão disponíveis em duas versões: baunilha e chocolate . Cada pudim ( 200g ) tem cerca de 150kcal e 20g de proteína e custa 0.99€ . Não têm açúcar adicionado , e são isentos de lactose e de glúten .  Por vezes recebo comentários a referir que o teor de açúcar não é nulo (4g/100g) , mas é importante referir que este açúcar é naturalmente presente . Os iogurtes naturais não adoçados têm uma quantidade de açúcar semelhante. Outro ponto importante a referir é que a proteína também vem do leite , que é uma fonte de qualidade (por ser completa, ao contrário por exemplo do colagénio ou glúten). Antes que fiquem excessivamente entusiasmados, devo dizer que encontrá-los não é tarefa fácil: a procura anda ao nível dos skyr na altura em que foram lançados (

Madalenas Sem Açúcar

Tenho a tradição de testar uma receita nova de cada vez que recebo ou compro uma nova forma. Por vezes as ideias são muitas e não é fácil escolher, mas quando a My Tup Love  me enviou esta forma não houve sequer um momento de indecisão: forma de madalenas pede madalenas :D  Juntei o útil e agradável, e usei na receita a recentemente lançada aveia de custard. O seu aroma docinho a lembrar bolos com limão não podia ser mais adequado para o efeito :)  Madalenas Sem Açúcar Para 6 madalenas Ingredientes : [  1 ovo [  50g de quark natural [  25ml de leite [  75g de farinha de aveia com sabor (usei a de custard da EU Nutrition , que tem um saborzinho a limão fantástico; podem encomendar com 15% de desconto usando o cupão euavela15 no site) [  1 colher de café de fermento Preparação : | Bater o ovo com o quark durante dois ou três minutos. | Baixar a velocidade para o mínimo e adicionar o leite, batendo apenas até este estar incorporado.  | Juntar a farinha e o fermento envolver com uma espát

Bolo de Spéculoos

  Com quase dois meses de atraso, venho deixar a receita do bolo que fiz para o meu aniversário. Mais pequeno que o habitual, tendo em conta a situação pandémica na altura (nos últimos dois anos não tive muita sorte com o timing do meu dia de anos). Para compensar, fi-lo em modo *overdose de spéculoos*: spéculoos  alegram qualquer situação :D O recheio foi improvisado à última da hora: tinha planeado fazê-lo com natas batidas e creme de spéculoos, mas aqueci o creme para ficar mais fluido e a temperatura fez com que as natas coalhassem. Fiquei sem o único pacote de natas que tinha, mas felizmente sou  exagerada  precavida e tinha meia dúzia de frascos do creme de barrar.  Acabei por desenrascar um recheio misturando-o com o pudim de caramelo da Ehrmann como base, o que de resto prova a minha tese de que há poucas coisas que não se resolvam com um pudim de caramelo da Ehrmann :P Foi tudo pelo melhor, porque ficou delicioso! Deixo a receita para que possam experimentar :)  Bolo de Spécul