Avançar para o conteúdo principal

Pakhoras de Vegetais (Saudável, Vegan, Sem Glúten/Lactose, Sem Gordura Adicionada)


O meu primeiro pensamento quando decidi que ia preparar um dhal de lentilhas (cuja receita já publiquei) para as refeições da semana foi fazer arroz seco para acompanhar. Já sabem que eu adoro arroz, e com uma comida do género do dhal é a escolha óbvia.
No entanto, decidi sair um bocadinho da minha zona de conforto e deixar o arroz de lado, até porque estou sempre a escolhê-lo como acompanhamento para a 'ementa' semanal e variar nunca fez mal a ninguém. Acabei por pesquisar algumas alternativas que estivessem, assim como o dhal, associadas à culinária indiana - e quando me deparei com uma espécie de bolinhos fritos de vegetais designados por 'pakhoras' soube logo que não precisava de procurar mais.
Em vez de as fritar ou assar optei por cozinhá-las na frigideira antiaderente, como costumo fazer com este género de receitas. Ficaram deliciosas, e além de serem um acompanhamento interessante são uma forma diferente de inserir vegetais na alimentação!
mas para a semana vou fazer arroz




Pakhoras de Vegetais (Saudável, Vegan, Sem Glúten/Lactose, Sem Gordura Adicionada)
Adaptado daqui
Para 10 pakhoras pequenas

Ingredientes:
[  150g de couve-flor
[  70g de farinha de grão-de-bico*
[  Sal (a gosto)
[  Caril (a gosto)
[  1 colher de café de bicarbonato de sódio
[  Sumo de limão (a gosto)
[  50+100ml de água
[  1/2 cebola pequena
[  50g de espinafres escaldados e escorridos (para escaldar basta colocar em água quente durante uns minutos, não é preciso levar ao lume)

Preparação:
| Limpar a couve-flor e picar finamente. Colocar num recipiente grande e cobrir com água a ferver. Tapar com um pano e deixar assim durante cerca de 15 minutos (o objetivo é a couve-flor amolecer um pouco).
| Num recipiente colocar a farinha de grão-de-bico, o sal, o caril e o bicarbonato. Adicionar o sumo de limão e os 50ml água e misturar tudo - a mistura deve ficar tipo um polme espesso.
| Picar finamente a cebola e adicionar à mistura anterior, juntamente com a couve-flor (escorrida) e os espinafres. Envolver tudo.
| Aos poucos, juntar a restante água (100ml), misturando bem. Pode não ser necessário adicionar toda; caso vejam que pela consistência o preparado está apto a ser colocado na frigideira (ou seja, não demasiado seco - vejam a foto abaixo), não adicionem mais.
| Com a ajuda de uma colher de sopa, colocar porções de massa numa frigideira anti-aderente (se a vossa não for bem antiaderente podem colocar um pouco de azeite). Quando a parte de baixo estiver bem dourada, virar com uma espátula e deixar cozinhar do outro lado.

*Não é uma farinha fácil de encontrar por cá, mas podem fazer em casa triturando grão-de-bico seco num processador de alimentos (foi o que eu fiz). Tenham em atenção que o processador utilizado deve ser bastante potente, porque o grão-de-bico é difícil de triturar.

Aparência final da mistura


Apesar de (pelo menos estas) terem um aspeto semelhante a pataniscas e bolinhos desse género, as pakhoras são bastante diferentes - não têm ovo para ligar os ingredientes, pelo que a consistência é dada maioritariamente pela farinha de grão-de-bico, e o sabor é mais forte, caraterizado pelas especiarias do caril.
Não tendo ficado propriamente crocantes, porque não foram fritas, ficaram com uma textura agradável, fofa/húmida por dentro. Também achei o sabor muito bom - diferente daquilo que se costuma comer por cá, mas agradável e nada enjoativo (e podem confiar em mim neste aspeto, porque as tenho comido todos os dias desde segunda-feira ;)).
(deixei apenas 1/3 das quantidades que usei; é suficiente para 10 pakhoras pequenas, que como acompanhamento servem 2 ou 3 pessoas)
____________________________________________________________________________
Informação Nutricional (por uma pakhora)
Energia: 32kcal
Proteínas: 1.8g
Hidratos de Carbono: 5.6g 
-       Dos quais açúcares: 1.3g
Lípidos: 0.5g 
-          Dos quais hidrogenados: 0.0g
-     Dos quais saturados: 0.1g
Fibra:  1.8g

     A informação nutricional engloba uma porção (neste caso, corresponde a 1 pakhora ou 1/10 da receita). Os valores estão sujeitos a erro humano e a alguma imprecisão, mas deverão estar próximos do valor real.
____________________________________________________________________________

Comentários

  1. Que delícias!!
    Beijinhos.
    FELIZ ANO NOVO!!
    http://www.opecadomoraemcasa.pt/

    ResponderEliminar
  2. Que bom aspecto.
    Gosto muito de "panquecas de curgete" 2 . Acho que ia adorar esses fritos de legumes.

    Boas Entradas.
    Beijinhos,
    Clarinha
    http://receitasetruquesdaclarinha.blogspot.com/2018/12/desafio-de-natal-pao-recheado.html?m=0

    ResponderEliminar
  3. Adorei o: "mas para a semana vou fazer arroz" :P
    Sabes que ando sempre atrasada nestas coisas, mas estes bolinhos têm um super aspeto!
    Agora ainda ando fascinada com o bolo de cenoura e o teu chocolate quente (de novo :P), mas um dia destes vou experimentar (bolo de cenoura e chocolate quente não são refeição "a sério", ou seja, até podia fazer tudo, mas experimentar receitas novas demora mais tempo, por isso, por enquanto é bolo de cenoura e chocolate quente :P).
    Já vou muito atrasada, mas espero que tu e a tua família tenham tido um óptimo natal e que tenham entrado com o pé direito em 2019 :) Beijinhos**

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Produtos #91 - Pudins Proteicos do Lidl (Baunilha/Chocolate)

Hoje o post é sobre a febre do momento: os pudins proteicos do Lidl :P Para quem não está a par, há algumas semanas começaram a aparecer nos supermercados portugueses da cadeia Lidl uns pudins proteicos muito parecidos aos da Ehrmann. Estão disponíveis em duas versões: baunilha e chocolate . Cada pudim ( 200g ) tem cerca de 150kcal e 20g de proteína e custa 0.99€ . Não têm açúcar adicionado , e são isentos de lactose e de glúten .  Por vezes recebo comentários a referir que o teor de açúcar não é nulo (4g/100g) , mas é importante referir que este açúcar é naturalmente presente . Os iogurtes naturais não adoçados têm uma quantidade de açúcar semelhante. Outro ponto importante a referir é que a proteína também vem do leite , que é uma fonte de qualidade (por ser completa, ao contrário por exemplo do colagénio ou glúten). Antes que fiquem excessivamente entusiasmados, devo dizer que encontrá-los não é tarefa fácil: a procura anda ao nível dos skyr na altura em que foram lançados (

Madalenas Sem Açúcar

Tenho a tradição de testar uma receita nova de cada vez que recebo ou compro uma nova forma. Por vezes as ideias são muitas e não é fácil escolher, mas quando a My Tup Love  me enviou esta forma não houve sequer um momento de indecisão: forma de madalenas pede madalenas :D  Juntei o útil e agradável, e usei na receita a recentemente lançada aveia de custard. O seu aroma docinho a lembrar bolos com limão não podia ser mais adequado para o efeito :)  Madalenas Sem Açúcar Para 6 madalenas Ingredientes : [  1 ovo [  50g de quark natural [  25ml de leite [  75g de farinha de aveia com sabor (usei a de custard da EU Nutrition , que tem um saborzinho a limão fantástico; podem encomendar com 15% de desconto usando o cupão euavela15 no site) [  1 colher de café de fermento Preparação : | Bater o ovo com o quark durante dois ou três minutos. | Baixar a velocidade para o mínimo e adicionar o leite, batendo apenas até este estar incorporado.  | Juntar a farinha e o fermento envolver com uma espát

Bolo de Spéculoos

  Com quase dois meses de atraso, venho deixar a receita do bolo que fiz para o meu aniversário. Mais pequeno que o habitual, tendo em conta a situação pandémica na altura (nos últimos dois anos não tive muita sorte com o timing do meu dia de anos). Para compensar, fi-lo em modo *overdose de spéculoos*: spéculoos  alegram qualquer situação :D O recheio foi improvisado à última da hora: tinha planeado fazê-lo com natas batidas e creme de spéculoos, mas aqueci o creme para ficar mais fluido e a temperatura fez com que as natas coalhassem. Fiquei sem o único pacote de natas que tinha, mas felizmente sou  exagerada  precavida e tinha meia dúzia de frascos do creme de barrar.  Acabei por desenrascar um recheio misturando-o com o pudim de caramelo da Ehrmann como base, o que de resto prova a minha tese de que há poucas coisas que não se resolvam com um pudim de caramelo da Ehrmann :P Foi tudo pelo melhor, porque ficou delicioso! Deixo a receita para que possam experimentar :)  Bolo de Spécul