sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Produtos #15 - Polvilho Doce e Azedo

O polvilho é um daqueles ingredientes sobre os quais me perguntam frequentemente. Onde se compra, quanto custa, o que é exatamente, como se pode substituir (quando as questões anteriores não obtêm resposta satisfatória :P)... Decidi então esclarecer todas as dúvidas e fazer um post cheio de fotos de crepiocas pelo caminho (a sério, preparem-se para um exagero delas). 

*O aspeto*
O que é, Ingredientes e Informação Nutricional

Respondo simultaneamente aos dois primeiros pontos: o polvilho é constituído por fécula de mandioca. A diferença entre as duas versões (doce e azeda) reside na acidez: o polvilho azedo passa por uma fase de fermentação pela qual o segundo não passa, o que lhe confere um sabor mais 'azedo'.

Versão doce
Versão azeda
Na verdade costumo recomendar que não liguem muito aos rótulos: nem o polvilho doce é doce nem o polvilho azedo é propriamente azedo. Se preferirem podem usar o primeiro para fazer sobremesas e o segundo para fazer salgados, mas eu uso-os indiferenciadamente e substituo um pelo outro quando me apetece sem problemas. Qualquer diferença no resultado será ligeira.

Ambos lembram farinha ou amido, sendo isentos de glúten. A informação nutricional ronda as 350kcal e 85g de hidratos por 100g, sendo todos os outros macronutrientes desprezáveis, como seria de esperar. 

Onde Comprar e Preço

Ambos os polvilhos se encontram em praticamente qualquer supermercado. A marca mais popular e a que costumo escolher é a que mostro acima, a Globo, mas há outras. Esta ronda sempre os 2 euros por pacote (500g).

Substituições

Visto que são feitos a partir desta, seria uma boa opção substituir qualquer um dos polvilhos por fécula de mandica, mas duvido que encontrem esta se não encontram os primeiros. Em alternativa, o amido de milho e a fécula de batata resultam bem, já que tem caraterísticas semelhantes às do polvilho. O último recurso é usar uma farinha qualquer em substituição do polvilho, o que funciona mas pode resultar num bolo (ou outra coisa, mas não vale a pena fingir que não estamos a pensar em bolos :P) bastante diferente.

Em que Usar e Resultados

A receita mais popular com polvilho é o pão de queijo, sendo que este toma um papel bastante importante na consistência dos pãezinhos, já que contribui para a textura crocante por fora mas fofa/elástica no meio. Assim, utilizado noutras receitas pode ajudar a tornar a massa mais leve e elástica, como o amido de milho, mas no geral não é boa ideia substituir por completo a farinha de um bolo por polvilho, porque pode ficar tipo borracha (been there) e todos sabemos que isso faz mal aos dentes. Como fiz no bolo de iogurte e nos cinnamon rolls saudáveis, quando o uso em bolos combino-o com outras farinhas (mais precisamente farinha de aveia, porque como já sabem eu e a farinha de aveia temos uma relação muito forte).

Outro uso frequente é a crepioca - e poderão conhecer as famosas crepiocas, se não por outra coisa, porque eu...

...passo...

...a vida...

...a fazê-las.
E todos sabemos o quanto vocês adoram seguir-me nas redes sociais e ver fotos de crepiocas a aparecer por lá com uma frequência exagerada. ;)

O que é que querem? São os crepes saudáveis com que sempre sonhamos (os sininhos aqui de cima são de queijo creme e salmão fumado)
E os cannelloni saudáveis com que sempre sonhamos (receita)
E as pizzas saudáveis com que sempre sonhamos! (versão com pimentos, versão com queijo)

E a lasanha saudável com que sempre sonhamos. (versão com carne, versão com espinafres e ricotta)
Sim, eu passei por uma fase de fazer todas as santas receitas com crepioca. O que é que se pode dizer, são a perfeição em forma de crepes ou cannelloni ou pizza ou lasanha.

À beira do molho de couve-flor, antes de serem ambos usados para fazer a lasanha que mostrei na foto anterior.
Por acaso depois de fazer os crepes não saudáveis todos manteigosos que já publiquei aqui apareceram na minha cozinha várias tentativas de crepes saudáveis neles inspiradas que, dito de forma simpática, não tiveram grande sucesso, pelo que fiquei a pensar que seria impossível fazer uns crepes saudáveis decentes. Depois chegaram as crepiocas, e na verdade são melhores do que podia esperar: muito fininhas, com um sabor mesmo agradável e a textura semielástica caraterística dos crepes.

Já fiz duas receitas de crepioca que são um bocadinho diferentes. No título de uma menciono que é feita com polvilho doce e na outra com polvilho azedo, mas como já disse não acho que isso faça grande diferença: faço uma e outra receita com qualquer variedade de polvilho. A maior diferença é que uma (esta) utiliza claras e um pouco de iogurte, o que resulta numa textura mais maleável, enquanto a outra (esta) utiliza apenas ovo, polvilho e leite, o que faz com que fique mais fofa. Adoro ambas, e no geral o fator mais importante na decisão entre uma e outra é se tenho claras para gastar ou não :P

Depois de demasiado babbling: crepiocas com queijo por derreter a serem tostadas numa frigideira
Para me certificar de que compensei realmente o babbling: crepiocas com queijo a derreter depois de serem tostadas numa frigideira
A verdade é que cada vez mais pessoas se têm rendido às crepiocas, tanto leitores (quero dizer com isto pessoas que me disseram através do blog ou assim que experimentaram a receita, mas não arranjei palavra menos snob) como pessoas a quem dou a provar - em particular o meu irmão, que é um esquisitinho de primeira com a comida no geral mas não se importa nadinha de comer um prato inteiro destes crepes.

Ok, admito ter usado nutella como isco para ele provar.
Mas depois de convencido já não é exigente ao ponto de precisar de Nutella para os comer, agora basta-lhe enrolar 5 e comê-los todos de uma vez para ser feliz.

Se ficaram com vontade de comer crepes com nutella, podem optar por crepes com chocolate negro, uma versão mais saudável e deliciosa :)
Versão para quem não gosta de posts longos:
1 - vão ao supermercado;
2 - procurem polvilho (se não encontrarem perguntem aos funcionários, a menos que tenham ido ao Lidl porque o Lidl é mestre na arte de não ter produtos que existem em todo o lado. Pensando bem, devia ter mencionado isto logo no ponto 1, mas uma ida ao Lidl nunca é um desperdício porque podem comprar quark e quark é delicioso);
3 - comprem-no e façam crepiocas. Imensas crepiocas.

E pronto, acho que é isto. Porque é que desperdiçaram o vosso tempo a ler o post quando a versão curta é tão mais simples e elucidativa, perguntam vocês? Porque na verdade queriam ver um monte de fotos de crepiocas e bem lá no fundo sabiam disso. Ou então adoram-me, é capaz de ser isso - nunca saberemos. ;)

Pelo sim pelo não, aqui está uma foto de uma crepioca com queijo, porque, como diz a minha avó, não é possível ter queijo a mais numa publicação do blog. Ok, talvez esta última parte não seja bem assim.
Até à próxima (não adianta dizer que não, vocês sabem que estarão aqui para a próxima) ;)

24 comentários:

  1. Eu também consumo polvilho com frequência. Também faço tantas crepiocas que nem me atrevo a publicar senão não publicaria mais nada! Mas gosto porque é rápido, prático e fica sempre bom! O polvilho encontro aqui com facilidade, por incrível que pareça! Há até coisas mais usuais que não se encontra tão fácil. Talvez o polvilho seja realmente algo muito vendável por aqui e eu não sei! Também uso é o dessa marca e quase sempre tenho dos dois em casa. Embora me pareçam praticamente iguais, ainda não me atrevi a usar o azedo em doces nem o doce em salgados! Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Avelã, amei este post. Vou já ver a receita da lasanha para ver se a faço neste versão mais saudável. Eu sou uma grande fã destes petiscos e tento que o pessoal tb o seja, embora tenha sido difícil convencê-los.
    E amei este seu post porque eu tenho polvilho lá em cas, não me lembro se é o azedo se é o doce e só praticamente conhecia a sua utilidade para os pãezinhos de queijo. P pessoal do mundo Bimby tb, por vezes, apresenta nas suas receitas, algumas com o uso desta farinha. Por isso eu a comprei, não vá o diabo tecê-las. Mas agora estou bem elucidada,. obrigado.

    ResponderEliminar
  3. Desconhecia totalmente mas a comida tem um excelente aspecto =)

    Beijocas

    ResponderEliminar
  4. Também nunca tinha notado diferença entre o polvilho doce e o azedo e vejo que afinal tinha razão. Imperdoável é nunca ter experimentado crepiocas. As tuas estão todas lindas!
    Bjn
    Márcia

    ResponderEliminar
  5. Quando publiquei a tua receita de crepioca foi das perguntas que mais me fizeram!
    http://asreceitasdamaegalinha.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  6. Ahhhh tanta crepioca e eu que as tenho na minha lista de coisas a fazer e nunca mais as faço! Que fome! :) Quanto aos polvilhos ainda só usei em pão de queijo, nuns pães de queijo que saíram assim aparentados do Son Goku, muito engraçados portanto. :p
    --
    O diário da Inês | Facebook | Instagram

    ResponderEliminar
  7. Realmente só o conhecia como componente do pão de queijo - graças a ti, alargou-se o meu horizonte.
    Bj

    ResponderEliminar
  8. Não sabia, sequer, da existência de tais coisas... será que aqui em França consigo encontrar isso? Tenho que investigar, porque agora fiquei super curiosa! =P

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não faço ideia! Eu já comprei no E. Leclerc, pode ser que aí os supermercados da cadeia também tenham :P

      Eliminar
  9. Nunca usei o polvilho em crepes.
    Comprei tapioca mas ainda não arrisquei. Acho que tenho mesmo que arriscar com estas imagens lindíssimas de crepes que aqui partilhas connosco.
    quanto ao polvilho, eu compro sempre os dois e gosto de usar metade de um/azedo e metade do outro/doce nas receitas de pão de queijo.

    Beijinhos,
    Clarinha
    http://receitasetruquesdaclarinha.blogspot.pt/2016/11/na-cozinha-com-e-uma-mescla-de-receitas.html

    ResponderEliminar
  10. Avelã querida,
    O polvilho azedo ou doce são bem versáteis, eu prefiro o polvilho doce pois o azedo
    tem um cheiro horrível pelo menos os que vendem aqui no Brasil.

    Beijinhos ♥

    ResponderEliminar
  11. Nunca utilizei mas fizeste coisas bem, deliciosas
    http://retromaggie.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  12. Nunca utilizei este polvilho, mas estamos sempre a aprender! =)
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  13. Adorei a explicação! :)

    Beijinhos Ana
    http://acasinhadasbolachas.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  14. Nunca usei polvilho! Mas depois de ler este post, fiquei cheia de vontade de experimentar :D
    Beijinho

    Blogue Recanto com Tempero

    ResponderEliminar
  15. Eu confesso que também não noto grande diferença nos dois! eheh
    Ando para fazer crepiocas há algum tempo, agora que as vejo mais uma vez acho que não passa desta semana!
    Quanto ao lidl não ter os produtos que todos os outros têm é ridículo mas eu também adoro ir lá. Ninguém tem quark ao preço deles! E os legumes normalmente são bem melhores que nas outras superfícies!
    A tua avó tem razão, queijo nunca é demais (para nada, incluindo para imagens no blogue!)
    Um beijinho

    ResponderEliminar
  16. Comprei hoje o polvilho doce! :D Amanha faço a primeira tentativa... ;) Beijinho**

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Espero que a tentativa tenha corrido bem! :)
      Beijinhos :D

      Eliminar
  17. Também uso imenso cá em casa. Mas as tuas imagens dão uma vontade imensa de comer =)

    ResponderEliminar
  18. Obrigada pelo comentário
    http://retromaggie.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  19. Pois, eu aqui em Macau nem polvilho doce, nem azedo, nem fécula de batata nem mandioca. Mas pelo menos há amido de milho :-p
    Adorei o post. Sempre pensei como poderia substituir o polvilho, o teu contributo para a humanidade é inestimável avelã :-)
    beijinho

    http://6800milhas.blogspot.com/

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...