Avançar para o conteúdo principal

Folar de Olhão


Uma vez que folar não faz parte da tradição na minha família, até há uns anos nunca tinha provado nenhum. Em 2016 lembrei-me de pôr mãos na massa e fazer (e provar!) um folar de enchidos que se tornou recorrente por aqui.
Em alguns dos anos seguintes repeti a experiência, sempre com muito sucesso - ocasionalmente, a minha avó ainda se lembra de falar do quão bons são 'aqueles bolos salgados que de vez em quando faço na altura da Páscoa'.
No ano passado fiz um folar de rosas, o meu primeiro folar doce. Mais uma vez, não desiludiu - até porque cada vez gosto mais de massas lêvedas, e são sem dúvida uma daquelas receitas que me correm sempre bem.
Este ano, ainda que a Páscoa tenha sido completamente diferente em quase todos os restantes aspetos, mantive a tendência do ano anterior no que a folares diz respeito: e assim saiu daqui mais uma estreia da minha parte, um folar de Olhão.
Já o tinha nos meus planos para a Páscoa quando vi a receita da Bruna do blog Açúcar e Sal, que ajudou a cimentar a ideia - nada como um post de um blog com fotos de bolos caseirinhos deliciosos para convencer uma pessoa.
Neste folar usei os meus últimos pacotes de fermento de padeiro, o mais valioso bem à face da terra atualmente. E não é sem consciência do peso delas que digo estas palavras, mas... Valeu totalmente a pena :D





Folar de Olhão
Adaptado daqui

Ingredientes:

Para a massa
[  100ml + 75ml de leite
[  10g de fermento de padeiro seco
[  100g + 400g de farinha branca (sem fermento; ajustem a quantidade conforme necessário)
[  2 ovos
[  50g manteiga
[  25ml de vinho do Porto
[  Raspa de 1 limão
[  Raspa de 1 laranja
[  120g açúcar
[  1/2 colher de chá de sal
[  Canela (a gosto)

Para a montagem
[  75g de açúcar
[  75g de açúcar amarelo
[  Canela (a gosto)
[  90g de manteiga sem sal

Preparação:

Para a massa
| Aquecer os 100ml de leite até ficar quente ao toque, sem queimar.
| Adicionar o fermento de padeiro, os 100g de farinha e os ovos e misturar com uma vara de arames. 
| Tapar a massa com um pano e deixar fermentar durante uma hora num sítio quente (coloquei no forno pré-aquecido a 50 graus e desligado).
| Ao fim dessa hora, derreter a manteiga com o restante leite (75ml) e adicionar à mistura anterior, juntamente com o vinho do Porto, a raspa de limão e laranja, o açúcar, a restante farinha (400g), o sal e a canela. 
| Misturar bem e transferir para uma bancada enfarinhada. Amassar bem à mão durante cerca de 10 minutos, adicionando mais farinha se necessário. Devem obter uma massa elástica e não muito pegajosa.
| Colocar num recipiente grande, cobrir com um pano e levar a levedar durante mais uma hora num sítio quente (coloquei outra vez no forno pré-aquecido a 50 graus e desligado).

Para a montagem
| Passada a hora, colocar a massa novamente numa bancada enfarinhada e amassar para tirar o ar. Dividir em 8 bolas iguais.
| Num recipiente misturar os açúcares com a canela. Noutro derreter a manteiga.
| Pincelar uma forma de alumínio com manteiga e polvilhar com a mistura do açúcar. Com a ajuda de um rolo da massa, estender uma das bolas, de forma a fazer uma placa circular. Colocá-la na forma, pincelá-la com manteiga e polvilhá-la com a mistura de açúcares. Repetir o procedimento para as restantes 7 porções de massa.
| Cobrir com um pano e levar a levedar durante uma hora num sítio quente (coloquei novamente no forno pré-aquecido a 50 graus e desligado).
| Cozer no forno pré-aquecido a 180 graus durante cerca de 40 minutos.
| Desenformar ainda quente.

Nota: Estas quantidades de açúcar e manteiga no recheio não fazem um folar tão húmido como o tradicional. Eu fi-lo assim porque na minha família toda a gente prefere bolos menos excessivos, e como resultado o folar cresceu mais e ficou mais alto e fofinho; também não ficou tão doce como é habitual. Se quiserem fazer a versão comum, sejam mais generosos no recheio - pelo menos o dobro das quantidades terão de usar.



Como referi na nota, fui mais moderada do que é habitual nas quantidades do recheio, daí ter ficado um bolo mais fofo que o tradicional folar de Olhão, que costuma ser mais pesado e húmido. Para mim ficou perfeito: super leve, com uma textura maravilhosamente fofa e o sabor no ponto! A massa é docinha e tem um leve travo cítrico, e em contraste com ela o açúcar caramelizado entre as camadas traz um sabor mais intenso e uma textura mais húmida.
Ficou mesmo muito bom! De futuro talvez experimente a versão tradicional, porque nunca provei e tenho curiosidade - mas este é mesmo o tipo de bolo lêvedo que me agrada, com a doçura no ponto e nada excessivo :D

Comentários

  1. Adoro folar de Olhão e também já fiz uma versão da qual gostei muito. Gostei imenso desta fatia que está mesmo a tentar-me. Tenho de experimentar esta tua receita que me parece deliciosa!
    Bjn
    Márcia

    ResponderEliminar
  2. Ficou com muito bom aspeto :) já sabes que aqui a nossa versão é bem mais calórica eheheheh mas às vezes também faço de forma mais moderada no doce e na gordura ;)
    Posso roubar uma das tuas fotos e colocar na minha página de facebook referindo que foste tu que fizeste? Tenho lá um album chamado 'Feito Por Vocês' :D
    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda hei de experimentar essa versão mais carregadinha. Até foi principalmente pela minha família, que torce um bocado o nariz a bolos mais doces :P

      Sim, claro que podes partilhar :D

      Beijinhos e mais uma vez obrigada pelas partilhas :)

      Eliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Produtos #91 - Pudins Proteicos do Lidl (Baunilha/Chocolate)

Hoje o post é sobre a febre do momento: os pudins proteicos do Lidl :P Para quem não está a par, há algumas semanas começaram a aparecer nos supermercados portugueses da cadeia Lidl uns pudins proteicos muito parecidos aos da Ehrmann. Estão disponíveis em duas versões: baunilha e chocolate . Cada pudim ( 200g ) tem cerca de 150kcal e 20g de proteína e custa 0.99€ . Não têm açúcar adicionado , e são isentos de lactose e de glúten .  Por vezes recebo comentários a referir que o teor de açúcar não é nulo (4g/100g) , mas é importante referir que este açúcar é naturalmente presente . Os iogurtes naturais não adoçados têm uma quantidade de açúcar semelhante. Outro ponto importante a referir é que a proteína também vem do leite , que é uma fonte de qualidade (por ser completa, ao contrário por exemplo do colagénio ou glúten). Antes que fiquem excessivamente entusiasmados, devo dizer que encontrá-los não é tarefa fácil: a procura anda ao nível dos skyr na altura em que foram lançados (

Produtos #69 - Pudins Proteicos da Ehrmann (Caramelo, Baunilha, Chocolate e Chocolate-Coco)

Hoje o post é sobre os famosos pudins proteicos da Ehrmann. Sempre que partilho fotos deles recebo perguntas, é infalível - seja acerca do rótulo, do preço, do sabor, dos locais de compra,... Desta forma, achei que o melhor seria escrever um post sobre eles e acabar com as dúvidas de uma vez por todas :) Começo pelas informações básicas: Locais de Compra Para já, os pudins estão disponíveis em poucas superfícies comerciais: fisicamente apenas os encontram nas lojas  Auchan e Primebody Nutrishop (há três, todas em Lisboa). Podem ainda encomendar online pelos respetivos sites, auchan.pt e primebodynutrishop.com . A cadeia Auchan só faz envios para algumas partes do território nacional, mas a Primebody envia para todo o país. Se optarem por encomendar pelo Auchan , os portes ficam a 5,90€ ; que eu saiba são fixos (acho que não há nenhum valor a partir do qual o envio seja grátis). No site da Primebody os portes ficam a 3,99€ , e são grátis para encomendas a part

As Panquecas Perfeitas! (Saudável, Sem Gordura Adicionada, Sem Glúten)

Desde que tenho o blog já experimentei muitas receitas de panquecas, e já publiquei várias delas. Algumas foram particularmente bem-sucedidas: as de aveia com quark , as de weetabix e as de coco já foram feitas (e aprovadas) por muita gente que me veio dar o seu feedback . Outras tornaram-se em clássicos por aqui, e foram repetidas imensas vezes por mim desde que as publiquei; é o caso das panquecas com aveia de sabor e das de aveia e centeio . Mesmo as panquecas de abóbora , uma das últimas receitas que publiquei, foram bastante apreciadas (por mim e por quem já experimentou e partilhou a sua opinião). E gostei bastante de todas estas receitas, até porque só publico no blog coisas de que tenha gostado realmente. Mas, as receitas antigas que me desculpem, hoje não venho partilhar uma receita de panquecas 'boa', nem sequer muito boa. Hoje venho partilhar A receita, capaz de revolucionar por completo a forma como vêem as panquecas. Apenas as fiz hoje, mas tive de p